Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Como é que nos curamos dos desamores?

Como é que nos curamos dos desamores? Com doses massivas de "medicação", que até pode arrasar com os outros orgãos, mas que cura a doença imediata e nos liberta do problema maior!

Quando nos arrastamos nas decisões, teimando em querer ver melhor, em esperar pelas surpresas e em achar que até pode ter havido engano, apenas adiamos o inadiável e conservamos uma falsa esperança. Por vezes somos bafejados pela sorte, e quem está do outro lado, quem até já fez as malas e prosseguiu, prova-nos sem qualquer sombra de dúvida que não adianta insistirmos, que já nem estamos mais nos seus planos ou pensamentos e levamos uma bofetada com tanta a força que nos acorda. Pode até doer um pouco, como dói o penso rápido arrancado de uma vez só, mas garanto-vos que resulta, porque as dúvidas vão-se, a capacidade de aceitar o óbvio passa a vir de forma tranquila e recebe-se ordem de soltura. "Vai mulher, faz-te à vida".

Como é que nos curamos dos desamores? A forma nunca é a mesma, mas…
Mensagens recentes

Somos diferentes, pois tá claro!

Somos diferentes. Pois somos mesmo, até para o bem do mundo convém que sejamos. A nossa diferença ainda fará correr muita tinta e permitirá que se escrevam romances épicos e se façam estudos de caso!

Os homens recorrem a formas bem diferentes das mulheres para "sobreviverem" a um desgosto amoroso. Por norma fecham-se em si mesmos, sofrendo em silêncio e esperando que passe, sem que ninguém dê por isso.

Um homem não chora, certo?

Se acham que sim, quem sou eu para contrariar. Têm quase sempre uma razão que ninguém entende e recusam falar sobre o óbvio. Fugir é o melhor remédio e de preferência para outro planeta.

Já as mulheres, gritam e esperneiam, falam de tudo com todos quantos se lhes cruzem no caminho, até com o carteiro, se ele tiver tempo. As mulheres lavam a alma como a usam, com palavras, com choro, muito, com ameaças que raramente cumprem, e depois, depois pronto, arrumam com a coisa e seguem em frente, não sem algum drama digno de novela mexicana. Como já perceberam…

Gente que a gente não reconhece!

Distorções que nos deixam incrédulos. Gente que não se encaixa em lugar algum, porque passa demasiado tempo a olhar para o lado errado da vida de todos. Comportamentos que assustam, pela deformação, mas que terão que servir para nos abrir a pestana.

Gente que a gente não reconhece e nem quer conhecer. Eu sei que não quero. Será que as mudanças climáticas estão a afectar cérebros mais danificados e sem qualquer conteúdo ou massa? Como é que dormem à noite? O que lhes sobra do que tiveram, quando aparentemente nem teriam nada? Gente que a gente não reconhece porque daria demasiado trabalho. Gente que não podemos incluir em lugar algum, porque acabaria, o lugar, demasiado conspurcado, tanto que nenhum detergente o limparia. Gente que tresanda a pequenez emocional e vão lá saber que me cruzo com uns quantos. Gente e gentalha que ocupa mais espaço do que merece e tantos que faziam falta e já partiram...

Por norma quando escrevo assim, há sempre quem me pergunte se estou amarga ou zangada. …

Vou confessar...

Vou confessar que nisto das relações não sei jogar e não entendo as que parecem ter sempre e apenas dois lados opostos!

Não quero ter que pedir para que olhem para mim, já não. Sinto-me numa tranquilidade tão profunda, que por vezes quase que pareço flutuar, e  por isso a ideia de nunca ter quem chegue a ser meu deixou de me perturbar. Cada um de nós terá aquilo para o qual "trabalhar" e o que tiver que nos pertencer, acontecerá com toda a certeza, mas sem forçar e sem ter que implorar.

Gostar de alguém, sentindo, nem sempre de imediato, que será com ela e por ela que conseguiremos superar o que vier, faz com que tudo se encaixe, mas nunca pela imposição, porque quando não estiver claro para uma, não estará onde deve. Gostar de alguém é um acto tão natural como respirar, e sem ar ninguém vive. Gostar de alguém é ter certezas, não deixando que o medo se instale. Gostar de alguém é perceber que poderemos ter o prazo que cada um se atribuir.

Tudo é tão efémero e tão frágil, que p…

Brindando com uma taça de vinho na mão!

Brindando com uma taça de vinho na mão. Com o cenário perfeito por trás, tu. Com a pessoa que faz de mim uma bem melhor. Com a chuva lá fora, mas cheia de sol dentro, de mim e de nós. Com todo o amor que te tenho e a certeza de que me amas de volta. Com a força que me passas e eu te devolvo. Contigo, hoje e enquanto nos reconhecermos!

Vai sempre bastar uma única palavra para que o que fazemos bem comece. Não precisamos de muito para nos superarmos, porque sabemos do que é feito o outro e cuidamos de nos cuidar, da mesma maneira e ao mesmo tempo. Fazemos o que deve ser feito para que nada fique para lá do que queremos e ouvimos, com toda a atenção, o que o outro tem para dizer.

Brindando com uma taça de vinho na mão, sem motivo, mas com todos os que nos trouxeram até aqui, desejamos o que é suposto a quem amamos. Vida longa. Muita saúde. Amor aos magotes, Sorrisos daqui até à lua. Toques de seda, no corpo e no coração. Razões para nunca as deixarmos de ter. Confiança, respeito e olhares…

O que faço desde que te foste...

O que faço desde que te foste. Os movimentos que o meu corpo permite, são mecânicos, seguem uma rotina que não é a minha, nunca foi, mas há muito pouco que consiga fazer e queira, porque sem ti, não sou, não tenho, não quero e não me sinto...

Os meus sorrisos são esgares. Os meus olhos não têm brilho, e o meu corpo deixou de me respeitar, nem poderia, porque o comando de forma errada e deixo-o, abandono-o, para que me doa menos, mesmo que não pare de doer.

Os meus movimentos, contigo, eram cadenciados, tinham ritmo, carregavam todo o desejo que carregava por ti. Os meus movimentos, logo que te via, tornavam cada músculo mais forte e capaz de passar a energia a todos os outros, para que também tu o sentisses. Os meus movimentos deixavam-te a cantar, a assobiar as minhas músicas e traziam-te, a cada minuto, até à minha boca para que a beijasses sempre e para sempre.

Tu prometias-me, juravas e afirmavas, sempre que me apertavas, forte e determinado, que nunca me deixarias só, porque sozinh…

Quem me salvou...

Quem me salvou, de mim, foste tu, com esse amor imenso e com cada umas das certezas que me fizeram confiar. Quem me ensinou de que forma me posso libertar, dando-me a quem me deu tanto, foste tu, tu e esse olhar que me desnuda e faz parecer ainda mais pequena. Tu que me tocas nos lugares certos e me passas arrepios que me libertam do passado e de tudo o que outros não souberam fazer. Tu que me ensinas a usar os movimentos que nos movimentam bem mais do que o corpo. Tu que me sorris para que me tranquilize e te ame de volta. Quem me salvou estava à minha espera.

Nunca, em momento algum deste meu percurso já longo, tive comigo e em mim, alguém que me soubesse ler tão bem. Contigo não existem perguntas. Contigo as conversas são fluídas. Contigo as mãos não se soltam e os beijos não se roubam, dão-se e sentem-se muito antes de começarem. Contigo eu não preciso de querer mais, porque já tenho bem mais do que preciso. Contigo o rir é genuíno e as lágrimas são de um prazer sem legendas.

Quem …