Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2012

I am ...

Que dia fantástico, radioso. Usei e abusei de todos os minutos que tive. Sou uma control freak, não sei relaxar, nem ao domingo, mas soube-me bem fazer tudo o que planeei, eu sei que deveria sossegar, simplesmente aproveitar, mas não sei como e acho que não quero!
Caminhei muito, apanhei sol, olhei as coisas com prazer, vendo-as. Há alturas em que pareço estar a conhecer-me por dentro, em que aprendo a ser eu. O mundo é mesmo um lugar incrível. Estar viva, ter sonhos, ir atrás deles e conseguir dar passos, mesmo que pequenos, mas seguros, dá-me energias. Há quem diga que já tenho demasiada, mas na verdade não quero parar, quero ter este mundo e todos os outros que conseguir descobrir, imaginar...
God I´m so lucky!

New Me!

Nunca fui dada a muito arrojo, a cometer loucuras em nome do amor. Passei demasiado tempo a medir, a pesar, a retrair-me, mas eis que de repente tudo muda.
Levaste-me à praia num dia de inverno, frio, mas cheio de sol, de cores que se misturavam com o mar revolto. Passeámos de mão dada, em silêncio. Percorremos a praia até chegarmos à ponta e vermos as dunas que se erguiam imponentes, criando uma barreira entre nós e o mundo. Olhaste-me com ar malandro e cheio de desejo.
- Aqui? Não sei se sou capaz.
- Deixa-te levar, confia em mim, por favor meu amor, sou eu que peço!
Senti o teu peso, determinação e deixei que me conduzisses, esqueci-me de tudo e senti o meu corpo vibrar de prazer.
- Olha para mim, só para mim e farei de ti hoje uma mulher completa.
God it was amazing!
Jamais julguei poder desligar, deixar-me ir. Parei de me controlar, aceitei todos os prazeres, senti os teus beijos ansiosos que me fizeram-me perceber o quanto me queres e como és capaz de me transportar para outro lugar, …

Searching!

Com a casa nova a "rebentar", tenho andado na tarefa bem motivadora de a decorar. Desta vez quero fazer o que gosto e como gosto. Mesmo que demore, irá ficar como desejo, com as coisas de que me quero ver rodeada. Fiz umas centenas de quilómetros hoje, apenas para encontrar umas estatuetas étnicas. Ufaaa!!

Não é preciso gastar muito dinheiro, temos é que escolher bem, conjugar cores e fazer pequenas alterações em peças que já tenhamos. Sabe bem recomeçar, programar,criar e ver os resultados.

Sou viciada em projectos e em vê-los concluídos. Fazem-me sentir mais forte, capaz, segura. Sei lá, coisas de mulheres!

Girls!

Vá, um miminho! também merecemos.

Scary!

Scary, mas não é movie, é realidade mesmo! A minha cidade, como muitas por este país fora, está a morrer, já não devagarinho, mas a passos largos, assustadores. Compras decentes, com lojas que valham a pena nunca existiu, agora então, pior. A nossa amostra de Centro Comercial vai finalmente encerrar portas. Eu tenho tentado ajudar, contribuir para a sobrevivência do comércio tradicional, mas é um desalento vaguear pelas ruas ao sábado, único dia livre para mim, e constatar que mais de metade das lojas estão encerradas ou em vias de… Scary!
Sempre tive receio do interior demasiado interior no país, em qualquer país, mas o nosso infelizmente apresente sinais de doença terminal. Com 3 rebentos para cuidar e encaminhar num percurso que deverá ser só deles, mais do que nunca anseio por sair, procurar alternativas, estar mais próxima do que acontece, está vivo, se mantém e pretende continuar. Onde será tal lugar? Quem me diz?

Our Night!

Ontem esmeraste-te, que jantar maravilhoso. Nem mesmo o frio conseguiu arrefecer a sensação de entrega e de cuidado com que me recebeste. Mandaste um carro buscar-me, a propósito, o motorista era bem bonito, e fizeste-me sentir uma princesa. Durante o percurso, que não pude ver e que não iria reconhecer de qualquer forma, ofertaram-me música suave, que me embalou e permitiu sonhar. Estava tranquila, mas ao mesmo tempo ansiosa. Nunca foste dado a surpresas, nem eu as esperei de ti, ter-te sempre me bastou. Estamos a festejar três anos em comum, tempos de muito mar revolto, mas de muita descoberta e creio termos entendido, finalmente, que navegaremos juntos, que já escolhemos o nosso percurso e que ele nos inclui, a ambos. A estalagem transpirava um ar senhorial, esperavam-me empregados de libré e de sorriso cúmplice. Comecei a assustar-me, e senti-me tremer, as pernas queriam ceder. Onde é que tu estás? Esperavas-me no cimo de uma escadaria de pedra, ladeada de candelabros com enormes vela…

Women in Red!

O vermelho é por excelência uma cor quente, provocadora, que nos põe para cima e nos deixa poderosas. E ainda dizem que nós não mudamos…há pouco mais de 2 anos, eu jamais conseguiria pintar as unhas de vermelho, ou os lábios, ou sequer ousar no vermelho. Hoje já me sinto talvez mais arrojada, segura e eis que me vesti de vermelho, não foi integral, preto e vermelho.
Tenho as unhas de vermelho, os lábios, o top, os sapatos são pretos e vermelhos, e os acessórios também. You know what? Sinto-me confortável.
A forma como nos vestimos diz muito da nossa pré disposição para a vida, mostra aos nossos pares como nos sentimos, é a nossa montra. Cada vez mais a valorizo e percebo que deve e é o meu reflexo, o meu “eu” do lado de fora.
Recomendo. Wear red!

No caminho!

Estou a perder peso, ieiiiiii!! Empenhei-me mesmo desta vez. Alimentação saudável, controle do chocolate que tanto adoooooro, mudei para o preto, sempre faz menos mal bem como as minhas caminhadas. Tudo sincronizado com uma vontade férrea de voltar a estar por fora como me sinto por dentro, só poderá trazer bons resultados.
Estou para comprar uma bicicleta de casa, que irei utilizar logo que acorde, ginásio nem pensar, não tenho tempo nem para me coçar, assim sendo, há que encontrar alternativas.
Já fui rapariguita de vestir 32 e de ter 45 quilos, óbvio que jamais voltarei ao que era, mas actualmente, tenho algo que não tinha anteriormente e que adoro, seios, lindos, big enough! Portanto, há que estar feliz com o que sou agora e ajudar-me a melhorar, sempre.

Raining!

It´s raining again! Estou a vê-la cair pela enorme porta que tenho no meu local de trabalho, e não fosse o “fresquinho”, gostava mesmo era de andar lá fora. Gosto do Inverno, da chuva, da sensação que nos envolve de recomeço. É o poder das estações do ano. Deixam-nos a sentir que algo de novo vem a caminho. Espero sinceramente que sejam sobretudo coisas boas para todos nós, para um país cansado de tanta burrice e total desgoverno.
Que venham chuvas fortes e lavem a corrupção e o desrespeito por quem lhes permite serem gente, e esses somos todos nós, os que querem cuidar das suas famílias, atingir objectivos, crescer e produzir. Queremos ser felizes e não ter que fugir das nossas próprias casas, da terra que nos viu nascer. Bolas, que nostálgica, será da chuva?

Na pele!

Estou outra vez com aquela sensação de falta, de vontade de ti. Eu sei, e digo-o a mim mesma diversas vezes, que se não me queres e não te esforças, te devo tirar da cabeça, deixar-te ir, mas como tudo na vida, falar é bem mais fácil do que fazer ou sentir.

Será que te fantasiei e tu nem sequer existes? Porque razão conseguimos sentir tanta química e sintonia por alguém, reconhecer os seus sons e gestos, se na verdade não forem assim de todo? São estas eternas questões que me matam e não me permitem avançar.

Queria ser capaz de despir a tua pele, tirá-la dos meus sentidos, preparar-me para outro amor, mas não queria ter que procurar, entrar na pesquisa, como se de um móvel se tratasse. Queria apenas encontrá-lo, olhá-lo como te fiz a ti, e sentir, saber e querer que passe a pertencer à minha rotina, que o seu cheiro, sabor e voz me passem a ser familiares e estejam presentes. Queria de novo um colo, um abraço, um homem que me deixasse segura e completa. Queria-te a ti, mas não consi…

Smallish!!

Yeah, right! A qualidade de vida nem sempre está nos meios pequenos, no demorar apenas dez minutos até ao trabalho, e no ter os hipermercados à porta de casa. Isso é o que se passa cidades de interior, onde supostamente é mais agradável viver, mas apenas e só para os que não têm fome de cultura, de projetos novos, de movimento, espetáculos, iniciativas que mobilizem as pessoas e lhes puxem pela criatividade e pela vontade de se manterem vivas.
Quero um workshop de escrita criativa, melhorar a minha aprendizagem de fotografia, ir a um espetáculo durante a semana e assistir a uma sessão de autógrafos de um escritor que admiro. Quero coisas a acontecerem, a possibilidade de instigar a minha capacidade de criar e de me sentir alive and kicking. Dança do ventre, pole dancing, estas são apenas algumas de muitas que gostaria de poder levar por diante, procurar, fazer e sentir-me mais eu, com as coisas que desejo, quero e sei que verei satisfeitas, mas… e o mas é a cidade pequena em que vivo, …

Novos Mundos!

Vendas Externas, contactos com outros cantos do mundo, em Espanhol, Francês, Inglês e até em Italiano. Tem sido um desafio, sobretudo pelos termos técnicos, uma vez que a empresa é de Metais Não Ferrosos. Cada dia nesta casa é de crescente desafio, mas por vezes permito-me alguns medos, receio de falhar, de não estar à altura do que de mim se espera.
Quem sabe, não tarda, estou de malas aviadas em vários aeroportos, a complementar as minhas vendas e a alargar horizontes. Who Knows!

Meu!

Partilhar-te nunca foi fácil, nem mesmo só pelos olhares. És demasiado bonito, másculo, interessante, de sorriso fácil e de palavras quentes. Agradas às mulheres e os homens querem-te para melhor amigo. Quando saímos juntos nunca me pertences e o tempo que me devotas não me chega.
Hoje decidi que bastava e mudei o meu comportamento e interesses, os homens também me olham e as mulheres invejam-me. Sou bonita, sensual e sei-o. Não quero mais estar na tua sombra, quero ser eu, deixar-me de sorrisos forçados e de te partilhar. Se te querem que te levem.
Dancei, dancei muito, sozinha, com homens bonitos, available! Flirtei e deixei que me olhassem e admirassem, fui mulher, ousada e livre.
- Não te parece que estás a exagerar? Não tarda, acabo a ter que dar um estalo a um gajo.
- Porque farias tal coisa?
- Tens estado a provocar e eles andam a babar-se.
- Não me digas que reparaste?
- Estás a fazer-me ciúmes é?
Desta vez não terminámos como habitualmente. Levaste-me ao colo para aquela que foi uma…

Technology!

Hoje fui auditada, com mais 2 colegas, via skype. Com a evolução tecnológica podemos estar em direto, neste caso com o Brasil e poupar tempo e despesas. Foi uma estreia, mas correu lindamente e para além de ser uma auditoria aos sistemas de qualidade, foi tudo aligeirado, e mais tranquilos e menos formais ainda demos boas gargalhadas com os nossos colegas do outro lado do mundo.
Esta correu bem. Next!

Medos!

Conheci o Bruno através de um site de solitários, buscadores de alguma atenção e quiçá de uma amizade colorida, de relações físicas sem compromisso, uma vez que no mesmo apenas participam indivíduos casados e comprometidos. Tivemos uma empatia imediata e chegou a fazer 200kms para me conhecer, mas ironia, nem eu nem ele sentimos qualquer elan e foi pela minha amiga tatuada que ele deixou tombar a asa. Conseguimos falar de tudo, confidencia-me os seus momentos mais soturnos, num casamento feito com a mulher que escolheu e a quem adora, mas faltando-lhe algo que nem ele consegue explicar. Desaconselhei-o a arranjar mulher para as chamadas voltinhas, alertei-o para os perigos, mas decidiu ir em frente e teve momentos de verdadeira loucura, com muito prazer físico, desligado, pensava ele, mas com sensações que lhe permitiam encarar os dias mais ligeiro. Numa relação, as duas pessoas não estão sempre na mesma sintonia, ora um ora outro, pode passar, de repente, a querer mais, e a acontecer ch…

Thursday!

Foi de fugida hoje. De quando em vez páro de resistir e aceito o teu convite para sairmos e nos amarmos, fisicamente, apenas e só. Eu sei que parece frio, mas estar demasiado tempo sem outro corpo, sem calor, sem ser cuidada e sem saber que proporciono prazer, deixa-me semi-enlouquecida, cansada de tudo, sem o mínimo de paciência para as coisas mais simples. Ainda dizem que sexo não é uma terapia, mas é claro que sim, concordo plenamente e como na próxima encarnação vou ser homem...

Levaste-me ao apartamento do teu amigo, nem quis saber o nome, para que não fosse sempre num motel, até porque perdemos imenso tempo em viagem. Credo, dito assim até parece que é só foda e pronto. É físico, não tem qualquer chance de escambar para um relacionamento amoroso, mas é feito com muito cuidado, respeito pelo outro e pela sua vontade e desejo. Fazemos sexo, como muitos casas não fazem amor. Somos verdadeiros amigos e camaradas de desejo. Sabemos onde nos tocar e como levar o outro ao céu. Rimos mui…

Procuro... desperately!

Preciso de perder peso, a menopausa, a gula, ai os doces, os chocolates... e a falta de "trabalho", se é que me faço entender, se não fizer, percebam que é falta de quecas mesmo, não ajudam em nada.

Quem é que sabe de algo que ajude, quem como eu, faz retenção de líquidos e que está acima do peso, seja lá porque razão for?

Heeeelp!!

Revenge!

Amazing! Tem sido fantástico ver esta série, soube dela através do blog da Pipoca Mais Doce e rendi-me.

Muito bem construída, com imensa intriga e inteligência. Afinal há gente má por todo o lado e ficamos com aquele sabor doce de justiça feita pelas mãos, punindo quem o deve ser. Lembra-vos algo ou alguém?

Não tarda vamos à revenge para os nossos governantes também, ou melhor, desgovernantes!

Tu és quem eu sonhei!

Desde que sou gente me lembro de passar as férias de verão na cottage da ilha do Farol. O meu pai era arquiteto e a mamã escritora e revisora de livros para uma editora Londrina. Todos os momentos lá passados foram de pura felicidade e descoberta da vida, da natureza e do enorme amor que ambos sentiam por mim.
Revezavam-se no trabalho que mantinham para poderem, ora um ora outro, estar comigo. Dávamos grandes mergulhos, andávamos de kayak, percorríamos a ilha a pé, pescávamos e na maioria das vezes ficávamos deitados sobre a areia enquanto me contavam histórias da família, dos meus antepassados, da forma como se conheceram e do quanto ainda se amavam.
Num dos regressos a casa, quis o destino, o azar e o infortúnio, que ambos me fossem levados num brutal acidente do qual escapei ilesa, tendo-me disso lamentado anos a fio. Porque não morrera também? O que me restava agora? Mas eis que cresci. Fiz-me uma mulher. Sou bem-sucedida, profissionalmente, viajei pelo mundo e descobri-me, nunca me…

Workkkk!!

Neste mundo actual, cheio da tão afamada “crise”, ainda vão existindo verdadeiros oásis de trabalho. Felizmente, encontrei um, cimentado num pilar enorme de um grupo Brasileiro.
Hoje em dia quem é que tem dinheiro? Os Brasileiros, Os Angolanos e os Chineses. Assim sendo bora lá, a trabalhar com quem pode realmente pagar. Eu não receio nada, só não quero ter que ir viver para a China, irraaaa!!!

Amizade real!

Dou aulas de Inglês a um senhor maravilhoso, com idade para ser o avô que nunca me acompanhou, e apenas porque faleceram ambos cedo. As nossas aulas são maravilhosas, uma verdadeira partilha de saberes, de vida, dos ainda muitos sonhos que ele também faz questão de ir cumprindo. Faz questão de estar por perto, de saber de mim, do que faço, apoiando-me e encorajando-me.
Fantástico o que conseguimos dar e receber desde que para isso nos disponibilizemos, sejamos mais humanos, mais reais. Eu não sou apenas a sua professora, sou já uma amiga e sentimos ambos um enorme respeito e admiração um pelo outro. Sou mesmo uma pessoa rica, ainda consigo cruzar-me com gente valiosa!

Me...me...me

Mesmo dentro da minha loucura diária, estou a conseguir arranjar bocadinhos só meus em que usufruo totalmente, imaginem só, da minha presença. Faço o que quero, de preferência coisas que me dão prazer, nem que seja demorar uma hora à procura de um livro. Que bom conseguir desacelerar no meio da correria. Assemelha-se a um filme em que nos sentimos lá, mas não estamos... estranho?

Cada dia me conheço melhor e gosto mais de mim, do que sou e de como sinto as coisas e as pessoas, não quero mudar, quero continuar a ser intensa e a exigir tudo de mim e dos outros. Quem não gostar...

Cuidando de mim!

Lá fui eu após quase 12 horas de trabalho, pois, é que com 2 empregos dá nisto, fazer a minha caminhada. O relógio marcava 21 horas e aguentei-me estoicamente quase mais 1, apenas interrompida pelo pedido dos filhotes que os fosse buscar ao treino de full contact. Bem pensado era lá mesmo que eu deveria andar, davas uns murros e uns pontapés no saco de boxe, claro está, e libertava mais energias e alguma impaciência que venho acumulando para algumas pessoas.

Vida de mulher é dura, mas temos que ser determinadas, ir em frente e decidir o que queremos de nós, até onde sonhamos chegar. Eu sei o que quero e como lá vou chegar. Para já vou caminhando, passo apressado para pôr o coração a bombar, o resto vai vir depois!

O amor faz doer!

Começou a minha azáfama, muito trabalho como gosto. Uma correria imensa que faz os meus dias parecerem mais pequenos. Uso, talvez inconscientemente, de tudo para não te pensar e para não te querer, mas mesmo em poucos segundos, o pensamento corre veloz para o que outrora foi o meu colo, a minha vontade de estar mais viva e acordada.
Estás demasiado longe de mim, aliás sempre estiveste. O teu mundo é mais corrido, exigente e não permite hesitações. Quiseste sempre respostas rápidas, que eu estivesse pronta para ti, mas não fui capaz então e desconheço se já o estarei agora. Ainda penso demasiado, sobretudo no que será assumir nova relação, séria and totally commited. Tenho vontade de ti, mas cada um no seu espaço, não cruzando necessidades diariamente. Estou mais egoísta? Talvez, mas quero o meu sofá só para mim, e a ti sempre que necessitarmos um do outro.
- E se eu te quiser sempre?
Mas porque dificultamos nós tudo, porque precisamos de palavras dos catálogos? Não poderíamos apenas usuf…

Cada coisa...

Cada coisa no seu tempo, completo assim. Hoje o que mais conseguimos ver são pessoas, sobretudo mulheres, que não aceitam a idade que têm e desatam a imitar as nossas jovens meninas a quem qualquer trapinho ou comportamento ficam bem. Envelhecer ou amadurecer com dignidade e respeito pelo tempo que por nós já passou. Se perdemos o comboio na estação, paciência, a solução é apanhar outro e tentar chegar ao destino, mas o passado já foi...

Eu consigo sentir-me bem comigo, com a bagagem que fui adquirindo, e que pesa qual ouro numa mala que pretendo continuar a encher.  Ninguém me verá a vestir como uma colegial, a expor o meu corpo como já não é possível sem me embaraçar. Uma vez que não faço estéticas, ainda não, e que "what you see is what you get", dedico-me a manter uma postura que faz de mim uma mulher madura, bonita, mas comedida. Não sinto vontade de parecer um pirilampo, nunca assim fui, nem quando tinha cintura de vespa e vestia o 32.

O triste desta situação é que dou…