Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2013

Como estou?

Fine, just fine!



Estou a adorar a sensação de controlo, de, e só, fazer o que me der na real gana, sem quem quer que seja a "chatear" a pedir ou a gritar...

Ser eu mesma, quando e como me apetece, é um luxo, a que nem todos têm direito. Demora a conseguir, sobretudo a sensação psicológica, emocional, porque uma vez essa conseguida, a física é imediata.

2014 vai ser o ano da célebre tatuagem "freedom", estava na minha lista e já vem a caminho. Estou ansiosa por imprimir o que me define agora.

Happy New Year to myself!

Mulheres fortes!

Mulheres fortes! Ainda existem umas quantas. Genuínas. Lutadoras, que correm atrás do que precisam e mesmo com todos os medos que as mudanças propiciam, não fogem da vida nem de si mesmas!

Tive hoje uma tarde cheia de histórias, de gargalhadas sinceras, de análises, de perguntas e respostas que nem sempre saberemos dar, com uma mulher assim.

Mudou-se para o outro lado de uma vida que certamente a assustou, mas a sua demanda é maior e o que pretende para si e para os seus, é gigante e real.

Ela sabe que é dela que falo e que lhe invejo a determinação e a constante busca do amor que merece e certamente encontrará, porque mulheres assim só poderão ter o melhor deste e de outros mundos.

Continua bonita por dentro e por fora, a fazer virar cabeças à espera do que está reservado para si, mas buscando-o também, não se resignando e reconhecendo o seu valor.

"Vais chegar longe amiga e eu estarei aqui para te ver"!

Escolhas difíceis!

Escolhas difíceis. Ajustes, aprendizagens, formas de olhar o mundo e de nos vermos nele!

O que se faz por aqui? Quem queremos no nosso percurso? Porque temos sempre tantas quês e porquês? Que escolhas fazer?

Nem sempre sou assim, à procura de sabe-se lá do quê, mas as escolhas, quaisquer que sejam, implicam decisões, consciência e vontade. Tenho feito algumas, mas ando a fugir de muitas outras, no entanto já estão na lista e este novo ano vai certamente trazê-las à luz.

Não estou nostálgica, nem down, apenas mais alerta e mais pronta, com vontade de me acertar de continuar para a frente, encontrando o que tanto tenho procurado. Ia saber-me bem um abraço teu agora, sobretudo para perceber que não é sozinha que pretendo permanecer!

Balanços, aqui vamos...

Mais um ano quase quase a terminar. Como são os balanços, o que consegui eu acrescentar e onde ficaste tu? O tempo encarrega-se de colocar nos seus devidos lugares o que não pode continuar, o que não nos está destinado, certo?

Errado!

Não é de todo assim, e durante este tempo que ainda te mantenho comigo, consegui perceber que nada se passa ou se resolve deixando-o apenas passar. As palavras que não se conseguiram pronunciar, os toques que nos deixaram de pele arrepiada e que o nosso corpo reclama, vão permanecer implantados como uma má tatuagem, feita no lugar errado, e com o nome que não era suposto existir. Tirar-te de mim signicava ter-te primeiro, de forma intensa, mesmo que por mais uma vez, a única que necessitava para saber quem és tu de verdade e porque razão te continuo a querer desta forma, sonhando-te, mesmo com menos ansiedade e buscando-te em todos os rostos que se vão cruzando com o meu.

Enquanto não te tirar de mim, as comparações irão manter-se e crescerão em ansiedad…

Como eu...

Como eu, só eu mesmo!Juro que por vezes até eu me surpreendo com o que consigo construir, com todos os passos que reproduzo, não de forma mecânica, mas por vezes deixando que me levem, que me contrariem, que me forcem a arrojar a procurar até algum do desconforto que me fará certamente crescer.

Agora, sempre que acordo, sinto que cresci em força, que não receio mostrar o que sou, e a forma como me concebo, porque afinal todos temos um percurso, mais ou menos dorido, mas que deverá sempre levar-nos a algum lugar. Eu quero que o meu seja lá, onde tenho vislumbres da felicidade que necessito para me manter inteira.

Como eu sou agora, sim, faz sentido!

Mundos...

Viajamos, conhecemos lugares paradisíacos, pessoas que nos mudam e acrescentam vida, experiências que guardaremos para usar sempre que a altura certa chegar, mas nada nos prepara, nada, para o encontro com aquela pessoa, com o único ser que nos tira o chão e que vem para mover e remover o que tínhamos como certo, como garantido!

O que aprendeste afinal?
Por onde andaste?
Quem conheceste que fosse igual a mim?

Tens a aura, o brilho e a vontade de estar bem, de ser e de ter o melhor que a vida proporciona, mas ainda não viste o suficiente, não ouviste os meus sons, não escutaste a minha alma, mesmo que tenhas andado por África e que os cheiros da terra e da chuva te tenham proporcionado o que falta ao comum dos mortais.

Não és igual aos outros és tu, mas não sei ainda se me bastarás. Quanto a mim, é bom que te prepares!


O que se pode dizer...

Quando todas as palavras parecem encaixar-se no sítio certo e com quem parece ter esperado por nós toda a vida?


Será que é desta, que não vou precisar de me conter, de pensar no como e quando? Será que finalmente encontrei a outra metade de mim? Alguém que não espero perfeito, apenas que me queira na mesma proporção, que não desista de me dar o que também quer de volta?
Desta vez vou querer TUDO, esperar MAIS, DAR o que sei conseguir. Não me vou retrair, porque se chegar lá, se formos dois, teremos o melhor de ambos, sei que sim, quero que sim.
O que se pode dizer de alguém que esperou, talvez tempo demais, para mostrar que amar é fácil, faz bem, nos cuida, deixa felizes, de sorriso nos lábios, de alma feita, prontos? Eu sou assim e não desisto de o poder mostrar, de ter ao meu lado, quem realmente me possa mudar os dias, a vida!


Parar ou não?

Quando é que vou aprender a parar, a sossegar, a não necessitar de tanta adrenalina para estar bem?



Canso-me a mim mesma por andar sempre à procura de mais, de movimento, de coisas novas, de me preencher e descobrir, e não sei como reduzir a velocidade.

Não deveria estar agora a dançar nas nuvens?
Não deveria estar a aproveitar todos os minutos para relaxar, gozar do sossego?

Às tantas devia mesmo, mas não consigo, a porra é mesmo essa, não tiro qualquer prazer no ócio, deixa-me com pele de galinha, chata, impossível de aturar. Gosto de ter que ler 2 ou 3 livros enquanto faço um milhão de outras coisas, em vez de os ler tranquilamente, de perna estendida. Corro quando não tenho o suficiente para fazer, que me ajude a queimar as energias e já agora, as calorias também, dá algum jeito.

Pronto, agora já sabem, quando eu disser que parei, ou enlouqueci, ou adoeci gravemente, mas que gostava de ser mais serne, gostava!


Inside me now!

There´s only me, nobody else to share my time with, but am I feeling down? NO WAY!

A New Year arriving, lot´s of adjustments to be made, inevitable choices, paths I can´t run away from...

Inside me now, there´s straingth, the will to be right, the desire to move forward, to keep on growing, the need to know me so well I can guess what I will be guessing.

I keep on searching for what I have always wanted for me, and I know now that it is possible, I can reach it, I am close!

Sexta-feira 13!

Não me parece que o dia em si possa mudar o que quer que seja e não me afecta minimamente, mas hoje, esta sexta-feira, está a ser mágica, ENTREI DE FÉRIAS...


Que  ano trabalhoso, desafiante, assustador, regenerador, envolto em mistérios do mundo, das pessoas e nos meus próprios.
Cada dia, com ou sem o 13, sei que consigo mais passos à frente, e que não me demovo, nada me demove do que quero para mim e para os meus.
Venham lá muitas sextas-feiras, que é sinal que andamos cá todos!

Momentos nossos!

Já não temos forma de passar sem estas escapadinhas como casal recente, que se reencontrou e necessita de se ir abastecendo de energias, de calor, de toque e de uma vida que planeamos construir em conjunto. As nossas semanas são de loucos, divididas entre trabalho, filhos, de ambos os lados, 2 para ser mais precisa, eu com duas filhotas e o Paulo com mais duas, de idades muito próximas e com uma relação de amizade tão estreita que até assusta. Já não querem viver separadas e a questão agora passa pela casa, onde vamos morar? De queal das casas se vai abdicar? Muito provavelmente das duas, porque nenhuma tem tamanho suficiente para comportar esta nova família alargada. A juntar a tudo isto ainda tenho um blog profissional e a escrita para revistas de especialidade, mais concretamente de moda. Sendo também scoutter, tenho muitos quilómetros a percorrer e imensos contactos telefónicos para agendar eventos aos meus clientes.

A ajuda preciosa da Tânia, a empregada que funciona como uma mã…

Quando eu entender...

Quando eu entender e quando aceitar todos os momentos como novos começos, quem sabe não se torna tudo mais fácil! Fácil de entender que até possoquerer o que me chega, não correndo demasiado porque a vida terá um passo certo para cada um de nós. Acredito que acabo a falhar a leitura dos sinais e a interpretá-los mal. Às tantas viro à direita e deveria ter sido à esquerda. Go figure!

Esta vida tem tanto de maravilhosa quanto de confusa, trabalhosa, messy, chata, corrida, parada, estonteante, enlouquecedora, TUDO o que nos poderá fazer querer, procurar e ter mais e mais. Mas quando eu entender sei que tudo passará a correr como deveria.

À espera...

Em modo "reservado", aguardando que o teu tempo também possa ser o meu, que olhes para mim como alguém que está aqui, para ti, mas que não me guardes na prateleira até aos teus regressos, e sobretudo que não acredites, não esperes, que será sempre assim, porque até o amor vem com prazo, com validade...

Estou à espera, ainda, e fá-lo-ei até que o meu coração dispare, me grite um BASTA e me obrigue a continuar com a minha vida, porque fui eu que escolhi a que tenho, consciente de que apenas farei o que for melhor para mim, e tu ainda o tens sido.

Não posso pensar demasiado, tenho que "aligeirar", relativizar, para que não sofra sobressaltos, para que não me penalize a mim mesma. Eu sei que é errado, que não me levará a lugar algum, que mereço mais, sou mais, e que não deverei permitir que me usem, me descartem, ou me considerem um adereço, alguém que se tem porque sim.

Enquanto eu decidir esperar, o teu tempo continuará a correr, e ainda poderemos usufruir do que no…

Just like the song...

What can I do to make you love me?

I never know how to use the right words, I never remember your favourite tunes, and you never seem to care. Our lives just pass us by, and we keep on wasting every second, minute, hour...

I wish we could meet, at the same place, thinking the same, feeling and wanting the same. Whenever our bodies touch, all the world seem to disappear, the heavy breathing lasts for as long as we look at each other deep inside, we then never want to part, just to be still, loving, knowing.

Just like many other songs, I want to live this life as if there would be no other, unless I knew how to reach you back!

Ok, eu digo...

Eu vou dizer o quanto gosto de ti!

Sempre que desperto para um novo dia que sei te incluirá, o meu coração sorri, todo o meu corpo te reclama e sente o toque da noite anterior, mesmo que só em pensamento.

Estou a olhar para o teclado do computador e a pensar que muito provavelmente as minhas palavras jamais serão, fortes o bastante, intensas quanto desejo, "grandes" como é tudo o que já me deste. Tens uma forma de me recordar que sou realmente importante, que te consigo mudar, que te acrescento vida, toda a que me devolves.

Gosto de ti, agora, de uma forma tranquila, sem pressas, à espera que me incluas, totalmente e sem reservas.
Gosto de ti, sobretudo pelas gargalhadas expontâneas, pela capacidade de me mimares, de me cuidares, de me olhares por dentro.
Gosto de ti como a pessoa que importa, a que estará sempre lá, aqui, para mim.

Gostar de ti é o que me permite continuar a sonhar, a querer que tudo se encaixe, que eu te consiga manter por perto, e que passes realmente a …

Não te deveria amar!

Aí estavas tu, de olhar altivo e de sorriso malandro nos lábios que já tanto beijei e que me percorreram o corpo que nunca se cansou do teu, nem de ti.

- Olá pequenina.
- Olá, estás bem?
- Agora sim. Continuas na mesma, apetecível, anda cá.

Quando percebi, já estava de novo nos braços que sempre me fizeram sentir segura, em casa, no teu Universo, aquele que povoa o meu e me faz sentir viva, aqui, a tua mulher.

Não te deveria amar, sabes? Não tenho como te explicar o quanto tem sido doloroso este amor que sinto, que continua a crescer e que me faz querer tocar-te de alguma forma, para te trazer de volta. Não sabes ainda, mas eu poderia ensinar-te como se pode e deve cuidar de alguém que nos quer dar tudo. Incrível como me deixas a duvidar até de mim, com esta mistura explosiva de sentimentos.
Se eu soubesse explicar, provar-te, fazer-te ver-me como sou realmente, quem sabe não entenderias o tamanho do que sinto por ti, e como não tem forma de terminar, nem nesta, nem nas próximas vidas…

CARAMBA!

De repente vem tudo aos trambolhões cair aos meus pés. Será que estarei a ser testada? É suposto agora saber como escolher?

"Cuidado com o que pedes..."

Eu sei que é assim que funciona, mas tal como quando a montra está cheia, e os olhos se entusiasmam e giram em torno de tudo o que aparentemente será bom, mas apenas servirá para nos baralhar, assim será tudo o resto na vida, muita escolha, mais trabalho, mais cuidado, mais riscos.

Estou decididamente na vida adulta, é agora, neste momento, que tudo começará a acontecer, e eu poderei saber-me, ir atrás. Sabe bem, mas assusta na mesma proporção, vamos ver como me saio desta!

Eu prometo!

Eu sei que consigo e quero dar-te tudo o que necessitas. O meu amor terá que ser capaz de te encher na íntegra, chegar até à lua e às estrelas, estar sempre do teu lado, pelo melhor e pelo pior, porque amar-te é mesmo o que sei fazer melhor!

Asseguro-te que sou eu, sou a que precisas para te sentires completo, para que por dentro, possas apenas e só saber o que sou para ti.

Não vou querer que perguntes, em qualquer altura, o que significas para mim, o quanto te amo, e se resistirei a todos os bateres de coração que ainda desejo sentir por ti e contigo, porque vou querer que saibas as respostas, que te sintas confiante e seguro.

Eu prometo, que estarei sempre aqui, que tudo o que sou te pertence e que apenas tu poderás manter-me assim, a amar-te até que algo ou alguém mais forte do que nós nos consiga separar!

Querem-nos, desejam-nos...

E pronto!


Temos que aceitar, deixar, permitir? Não me parece, temos que querer quem nos quer, desejar bem mais quem parece sentir-nos com a alma...

O mais chato de estar sozinha, é o ter que "ouvir" as conversas moles, as pseudo-tangas, os blá blá, blá que supostamente parecerão interessantes a alguém. Ok, não vou ser totalmente má, há que começar o processo por algum lado, mas pelo amor da Santa, diversifiquem, sejam mais originais, please, não quero morrer sozinha!

Não digas...

Só e apenas o que achas que eu quero ouvir, porque não me conheces, de todo!



Não uses palavras em vão, não me cries expectativas, não atires para o Universo a responsabilidade de me fazer feliz, esperando pelo que não tem como chegar.

"Amo-te", "quero-te", "és o que sempre esperei para mim". Lindo, mas muito blá blá blá para mim, agora, e se queres saber porque o sinto assim, basta que te diga que quem ama cuida, procura, busca nos confins do mundo se preciso for, se na realidade o amor que diz sentir for assim, grande, intenso, real.

Existem sim, palavras que mudam tudo à sua passagem e quem sabe um dia não esbarro com alguém que as sabe verdadeiramente usar e sentir, até lá, e porque sou a mulher dos sons em forma de letras, cuidado com o que me dizes, porque se soar a falso, morreste!

Projectos emocionais!

- Quanto tempo vais estar fora?
- Não sei minha querida, o que eu necessitar para que este livro se feche de vez.
- Não estás a por demasiado de ti nele?
- Isso é ponto assente, pus-me lá dentro de tal forma, que para tirar nem que seja um pezinho, me enrolo e enrolo...

A saída de cena do Manuel, da sua vida e da sua rotina, estava a baralhar-lhe o relógio emocional. Tudo se desencaixara, as longas noites em que faziam de tudo e aproveitavam os nadas que os completavam. Os mimos de cada vez que trocavam mensagens. Os telefonemas que se prolongavam quando o trabalho os separava por continentes...

- Ainda estás a sofrer?
- Não sei o que te diga, se estou a sofrer ou a morrer por dentro.

O que se faz aos projectos que se criaram em conjunto? Para onde vai o que se delineou, sonhou, e que até se começaram? Como se aceita o distanciamento que se criou em pensamento, vontade, pele e desejo? Acho que se morre um pouco. Todos os dias um pouco mais.

Eu sei que terminar o livro será fechar amb…

Timings!

Por vezes não são os melhores, não se misturam e rumam para lugares e espaços diferentes!



Cada dia nos trás pedaços que permanecem, que nos modificam à sua passagem, ou que simplesmente se esfumam sem rasto, parecendo rostos sem gente dentro.

Mesmo que eu queira, deseje, lute para que todos os dias que agora me empurram de mansinho, mas determinados para o meu único caminho sejam sempre cheios de ti e contigo, nem sempre sou bem sucedida.

Hoje deixei-me conduzir pelo meu carro, alheia a tudo à minha passagem, qual sonâmbula, passei todo o tempo a reviver o pouco que já vivi contigo, porque me parece sempre pouco, e o muito que anseio por  o ainda ter. O dia foi demasiado vazio de ti, não te senti o sabor, não consegui imaginar o teu toque, e invejei todos que te partilharam, que te viram realmente, que te "roubaram" de mim, cada segundo, que me permitiria sobreviver mais forte ainda.

Hoje os nossos timings diluíram-se, caminharam de costas e eu odiei a sensação!

Deep inside...

We sometimes spend days, weeks and years, hiding ourselves from the world, from what we are really capable of doing, and we end up with that empty feeling of not being enough!

One of my dreams, maybe the deepest one, was put aside, left in a drawer I never dared to open.

Singing! I believe my voice could take me so far, beyond where dreams rest, I know that whenever music enters my heart and soul, I become capable of changing the world, of  opening my wings and simply flying away, never to get tired.

I know now, deep inside, that I should have fought for me, for what would bring me the ultimate pleasure, I could have been greater, better, happier. Maybe I will have  a"tomorrow", because if I can dream it, I can surely do it!

Tudo gira em torno de ti!

Tudo gira em torno de ti, porque os meus dias, agora, começam sempre com as mensagens que envias e as vezes que me ligas apenas para me dizeres que me amas, que me queres na tua vida, e eu devolvo-te a intensidade, o desejo e permito-me sonhar com o ter-te!

De onde nascem estas emoções, como surgem assim, do nada, ou talvez de um lugar que desconhecíamos e que aguardava apenas por um passo nosso na direcção do outro? O que sinto por ti e como o sinto, cresce a cada dia, a cada segundo, a cada palavra que proferes, e como o sabes fazer tão bem.

Incrível a forma como te encaixas no meu perfil de homem ideal, e engraçado como ainda não o tinha analisado até hoje. Tens TUDO o que pedi, consegues ser o que imagino, o que entendo por certo na pessoa que escolhemos para o nosso percurso de vida. Quero-te tanto que chego a ter medo de mim, de me desiludir, de não estar à altura e de te perder...

Tudo gira em torno de ti. Revolucionaste tudo à tua passagem, agora vamos ver para onde caminhará a…

Finalmente!

Finalmente chegou quem te tirou do lugar onde, há demasiados anos, te permiti ficar. Tive de tudo contigo, palavras que me sugavam para um remoinho de sentimentos que não conseguia explicar e ausências que me magoavam mais do que a chuva fria num corpo cansado de tanto te esperar. Contigo tive o meu regresso à vida que planeara mas deixara adiar. Contigo tive um amor que apenas existia de um lado, do meu.

O teu olhar irá acompanhar-me sempre, até o teu desconforto e incapacidade de me tomares com toda a ansiedade que espelhavas. Não estavas pronto para o muito que te poderia ter dado e fugiste, correste para a segurança que sempre representam as relações que matámos, que nos permitem fechar a porta atrás de nós e percorrer os caminhos seguros sem olhar para trás. Disseste que eu era demasiado perfeita e fui-o sim, até mesmo para mim, sobretudo porque desisti do que julgava ser a relação que me servia, não te cobrando e deixando-te decidir. Mas quando já acreditava que teria que te man…

Também é preciso...

Sairmos das nossas capas de profissionais e passarmos a ser pessoas, indivíduos com gostos particulares, com risos mais abertos, descobrindo-nos e aligeirando as rotinas, faz muito bem!

Estamos com imeeeeenso trabalho na empresa, quase enlouquecidos e afogados em leis, legislações, não-conformidades e enormidades de procedimentos que têm que ser seguidos, e este bocado, em que juntos pudemos falar de apenas nós, foi giro e serviu para estreitar laços.

O jantar com música, os risos francos, as brincadeiras que não nos permitimos em contexto profissional, deu-nos força para quase mais duas semanas infernais.

O próximo jantar já será com todo o "gangue", esse vai ser de cair para o lado de tanto riso e maluqueira. Estou cada dia mais humana e começo a fazer o que os comuns mortais fazem, sem qualquer peso na consciência ou presenças indesejáveis.

Life here I come!

Espero o quê?

Ou por quem?



Onde estará quem me acolherá de noite, quando, sozinha, indefesa, encolhida sobre a minha incapacidade de ser sempre forte, me saiba dar colo?

Nem sempre te procuro, mas sei que apenas contigo poderei dar tudo o que sou, como sou, e manter-me viva, entendendo que o que faço aqui se cruza contigo.

Se não houver quem me conheça já, quem saiba ler o que as palavras nem sempre conseguem dizer, vou ficar certamente perdida, com o norte desregulado, mas apenas o tempo suficiente para que consiga, outra vez, gritar o que tenho dentro e me devolva a mim mesma.

Espero que, tu, sobretudo tu, possas caminhar ao meu lado, usando o que me define, as palavras, porque quem não as tiver na proporção do que me faz falta, não ficará comigo, mesmo que não as use com sons, mas que me permita senti-las, sempre, com a intensidade que eu sou e tenho.

Eu espero-te, ainda!

Tantos MEDOS!

Tantos MEDOS. Agora acordo com eles e deito-me meio anestesiada!

Tenho MEDO de te perder, mesmo que se diga que apenas perdemos o que nunca tivemos,porque  eu sei que já te tenho por dentro e que mesmo não sendo meu, sinto-te como não julguei possível. Sinto que fazes parte do que talvez tenha sonhado e receio nunca conseguir viver.

Tenho MEDO de que nunca chegues a saber o quanto te quero, que mundos conseguiria percorrer para te dar tudo o que sou, para te ver sorrir e para te abraçar sempre que precises de me ter mais próxima de ti.

Se os meus medos servirem para que me conheça melhor, para que me sinta viva, para te ame até que me doa a alma, o coração e o corpo que ando a castigar fjá az tempo. Vou querer que os medos fiquem ainda mais algum tempo, que me ensinem a não querer carregar o mundo aos ombros e me dê a mim mesma o tempo que preciso para que os deixe de sentir.

És tu, já percebi!

Se dúvidas houvesse, certamente que a Andreia as teria perdido todas, logo ali, mal olhou e tocou o Paulo.

Marcaram, de fugida, um encontro para que se pudessem sentir, para que o respirar fosse mais próximo e profundo.

Assim que o seu sorriso se rasgou, Andreia soube que era ele, o seu toque que acompanhava agora a voz que a seguia e perseguia dia fora, era familiar, fazia-a vibrar, sentia-o bem dentro de si, e o prazer, caramba, o prazer de o ter tão perto era tudo o que poderia desejar, mesmo os pedacinhos de momentos, mínimos que nunca lhes iriam bastar, mesmo esses eram maravilhosos.

- Estás bem miúda?
- Contigo estou sempre bem.
- Quando é que te vou ter inteira?
- E se fosse agora?

E foi! Aconteceu, tiveram-se, amaram-se, ansiosos, desesperados. As duas horas pareceram pouco, seria sempre assim, mas pareceram dar a força que por vezes lhes queria fugir.

Relações, são sempre complicadas, penosas por vezes, mas sem elas estamos vazios, os dias caminham, não correm, não se vive, …

Coração dividido...

Tenho o coração divido porque ele é grande, um dos maiores orgãos, mas consegue multiplicar-se, estando aqui e ali, para quando e quem dele necessitar!

Quem nos ama, quem conseguimos amar de volta, por cuidado, por carne, sangue e toque, terá o  nosso coração sempre. O meu sei que funciona assim. Sei que o consigo insuflar e fazer crescer, tanto, que me permite chegar a todos os que "gritam" por ele, por mim, pela minha atenção. Por vezes quase que o sinto rebentar de tanto que dá e ainda vai conseguindo receber. Há dias em que se cansa, em que lhe apetece parar, deixar de bombear, sangue, amor, vida e apenas sossegar e adormecer para conseguir acordar renovado.

Tenho sempre o coração dividido em 3, porque 3 são os meus filhos, mas cabem sempre mais, todos quantos me consigam permiti-lo continuar a bater!

Lonely...

Foi assim, connosco, num tempo que quero esquecer, num tempo em que nunca paraste para me olhares e dizer o que quer que fosse, em que apenas teria parte de ti quando fazíamos o amor que já não me bastava, mas servia para te sentir, para sentir o cheiro do homem que uma vez me fez amar loucamente, desejando que ficássemos e fossemos um só.

Nunca deixei de te querer, de deixar de me importar, mas sei que passaste a não me ver, e que nunca te esforçaste para "carregares" a Mulher que sabias que eu era, a que te encantou pela força de viver, pela alegria, e pelos sonhos que adiei pela tua incapacidade de sonhar comigo.

Eu sei, hoje sobretudo, que fiz tudo, que te dei tudo, e que de nós nasceu a nossa melhor obra, a que irá perpetuar o que uma vez foi tão bonito, mas agora já não quero olhar mais para trás, simplesmente porque passei a entender, finalmente sei, que se não fomos mais, se não continuámos, a incapacidade foi tua, o teu desamor, pequenez, matou-te e a nós como casa…

SOL...

O sol, aí está ele para me aquecer, por fora, e sobretudo por dentro, porque esta alma intranquila precisa que a cuidem sempre, que lhe ofereçam dias luminosos, de céu limpo, onde tudo esteja bem visível e se possa "tocar"!

A música, que nunca me abandona, está aqui, comigo, não permitindo que a solidão se aproxime demasiado, mas as emoções estão ao rubro, e a vontade de que não tivesse sido assim ainda permanece, mesmo sabendo que me amas, que te amo de volta, e que afinal não, não era paixão, é algo que cresce gigante todos os dias, que me ultrapassa e me faz duvidar até de mim mesma.

Fica sempre comigo uma saudade que não consigo arrancar e que me irá acompanhar por longo tempo, porque o teu mundo não corre na mesma direcção do meu, porque existem percursos que não se cruzam, e porque acabo a ter de ti apenas pedaços, bons, dos quais necessito até para respirar, mas que ficam sempre demasiado pequenos...

Se ao menos o sol me conseguisse trazer a clareza de que necessito p…

Dançar até que me restaure..

Dançar até que me restaure..

A melhor forma de me renovar é a dançar e por norma fico novinha em folha. Já era bem tarde, hora em que deveria estar deitadinha, a recuperar de um dia TÃO longo, mas o que fiz eu? Dancei até à 1 da manhã!

Não é defeito acreditem, é feitio mesmo, se não consigo gastar as energias acumuladas, passo-me para o outro lado, fico eléctrica e incontrolável...

Escolhi bem as músicas, e de auscultadores em riste, dancei até lavar toda a minha alma. Até sentir que me escorria o suor, pelos seios, pelas costas e até estar bem comigo, com o meu corpo, em sintonia com o que sou. A música tem este poder em mim, é com ela que acordo e me revejo. É com ela que sonho (agora contigo) e me preparo para os dias que sempre me conseguem superar e surpreender.

Conheço outras formas de soltar o stress e de perder calorias, mas na falta de melhor...

De volta ao chocolate!

A carência dá nisto. Mulher que não tem o que lhe basta, "vinga-se" nos chocolates, mas como falou um amigo, pelo menos o preto não faz tão mal, sim, porque manter a linha, estar bonita e deixar de desesperar, tudo ao mesmo tempo, nem para mim que sou mulher!

Cada dia mais...

Sim, é verdade, eu continuo a achar que as coisas terão e deverão ser à minha maneira, quando existir uma próxima vez!

Quando algo se desenvolve, quando uma relação se desencadeia, então aí sim, acabaremos, inevitavelmente a fazer concessões a adaptar-mo-nos, mas até lá, não me posso demover do que sou, da forma como penso, do que sei me poderá fazer mais mulher, mais completa e feliz.

Se a vida não nos ensinar alguma coisa, então o que andamos aqui a fazer? Há que reajustar as rotas, redefinir percursos, saber o que pretendemos obter...

Não quero mais do mesmo, quero TUDO, quero o que é meu por direito, pedaços de coisa alguma não por favor, para isso fico como estou e sem razão para reclamar!

Estar bem é...

Estar bem é, no meio de um dia tão louco quanto o são todos os outros, parar, respirar e marcar o número que me levará até ti. Tem sido sempre o que me restaura, o que me permite manter-me focada, capaz de "suportar" todas as horas que me sobram e estar bem, ficando bem!

Estar bem é saber que me fazes sorrir. Estar bem é rir de mim, da tua insegurança e dos momentos que antecipamos mesmo sabendo que muito dificilmente acontecerão. Fazes-me bem, deixas-me a brilhar por dentro e permito-me ser mais do que a profissional que organiza, determina, assegura e faz acontecer. Por alguns instantes, mesmo continuando a ouvir o meu nome que nunca cessam de chamar, tenho-te a ti, a tua atenção e permanece o desejo de prolongar o que me ofereces. Por alguns minutos, nunca os suficientes, és a energia que me alimenta. És o meu oxigénio e a certeza de que me mantenho viva, que sou capaz de desejar, querer e que afinal não me vou fechar ao mundo, apenas porque em qualquer parte dele, existir…

Não tinhas, pronto...

Arrependimentos? Tenho alguns sim, mas cada vez menos daquilo que faço, e sim do que deixei por fazer e agora já não consigo mais recuperar.

Estou a aprender que conhecer o outro, quem cruza o nosso caminho, é algo que leva tempo, que nos pode consumir, mas que certamente dará frutos, nos permitirá perceber se "escolhemos" bem, ou nem por isso. Não há porque ficar magoada, há quem não seja, não consiga, não tenha, simplesmente, o que poderia permitir uma relação de avançar.

Fico algo triste por não me ter explicado, logo do início, que NÃO sou Mulher para se dirigir, NÃO a mal, com arrogância e incapacidade de aceitar que se errou. Tenho muitas fragilidades, mas sei o que NÃO quero para mim, e NÃO quero certamente quem me dêem migalhas, que julguem poder deixar-me numa qualquer gaveta à espera que queiram abri-la e permitir-me o ar que me pertence por direito, eu sou o tudo ou nada, e a AMAR quero e exijo TUDO.

Tiveste-me, fizeste-me bem, amaste-me, eu quero acreditar que s…

Toca-me por favor...

Sempre que te zangas, castigas-me a alma e o corpo, fazes-me deitar encolhida, bem na outra ponta da cama, para não sentir o teu cheiro que me enlouquece de prazer e quase me faz suplicar por ti.

Tu sabes que preciso do teu corpo, que os teus abraços me afastam os pensamentos que me ensombram com o medo de te perder, e que tirares-me o teu toque, a tua boca que me beija como só tu sabes, as mãos que me percorrem o corpo que te pertence, é o que me mata por dentro.

Zanga-te comigo, mas permite que te tenha, agora, sempre, por favor. Fica comigo, dentro de mim, és tu quem eu quero, é a ti que reconheço, os meus movimentos só se coordenam quando sou tua, quando saciada, sei porque te escolhi...

Vem amor, toca-me por favor, preciso de ti!

Conversas da treta...

Digam-me, se o souberem, porque acabamos sempre a complicar tudo, porque não conseguimos escolher a forma mais pacífica e tranquila de nos relacionarmos?

Eu cada vez sei e percebo menos, cada dia conheço menos as pessoas e as descodifico pior. Não sei o que escondem, porque o fazem, o que beneficiam com isso, como conseguem pousar a cabeça e dormir à noite...

Deve ser o final da semana, o acumular de stress, ou talvez as desilusões que se sucedem, na verdade não me quero debruçar demasiado sobre isto, só poderá ter um efeito nefasto. Eu não sou cáustica, não sei andar em pé de guerra, nem gerir a vida como se de uma competição constante se tratasse. Não irão existir vencedores.

Não quero forçar nada nem ninguém, não me quero impor, quero ser desejada, por mim, pelo que tenho e dou. Guerras, não obrigada, preciso de todas as minhas energias para ser mais produtiva, natural, eu!

Aprender a seguir em frente...

Entender, aceitar, conseguir deixar que passemos a ser dois, para voltar ao que era antes, muito antes de me fazeres sentir a mulher mais importante da tua vida, não está a ser fácil!

Ainda estou anestesiada pela dor, pelo sofrimento que me vem causando já não te ouvir pela manhã, não saber de ti, do que pensas, dos planos que sempre me incluíam, dos passeios ao final da noite, em que de mãos dadas, apenas eu e tu, sem sequer olharmos para o mundo à volta, falávamos do dia que tinha acontecido, do que desejávamos para ambos e para a família que iríamos alargar, aumentar...

Aprender a seguir em frente, a deixar de ter rotinas nas quais estavas sempre tu, em que uma simples mensagem me descomplicava os dias, apenas por saber que no final estarias à minha espera, de sorriso aberto, com o peito pronto para me aninhares. Eu sei que tenho que continuar, mas não sei como, ainda não.

Não deixaste alternativas, não aceitaste que poderíamos ambos ser como sempre, desde que nos olhámos e nos per…

Ghosts of the past...

Ghosts of the past, they keep on haunting me, bringing up my weaknesses, drawning me into a fear of life, of what I cannot control or explain...

My ghosts appear to have come to stay, and I still don´t know how to survive them, I run and run, but never move. The ground is pulling me down, preventing me from going to you.

I thought and hoped you would take them away from me, but they are stronger, they know me better, they never leave.

I feel like screaming for help, but nobody listens, nobody cares, not even you, you want to believe in the strength I don´t have, I need you honey, please hold me now, please stay with me.

I really hope you can win them over, just this once!

P.S. I Love You!

Será que precisamos de acreditar que o amor verdadeiro existe para estarmos vivos?

Muito para além da perda, fica o que sentimos, o que já nos deram. Quem nos conhece realmente e nos ama com todos os defeitos, qualidades, com as carências, medos. Será possível saberem de nós mais do que nós mesmos?

Vejam o filme, recomendo. Há vidas que permanecem, neste e noutros lugares, unindo-nos a escolhas, a corpos. Por um amor assim matava e morria!

Não pediste...

Vi-te ir, até a tua silhueta se misturar com todos os outros corpos e passos que pareciam tal como tu, fugir, de algo, de alguém, ou apenas seguir, continuar!

- Se me pedires não vou, tu sabes.
- Não posso fazê-lo, tu também o sabes. A decisão é tua, já esperavas por esta oportunidade há imenso tempo.
- Sim, é verdade, mas tu não existias antes, não estava nos meus planos querer-te, que entrasses na minha vida, agora é tudo diferente.

Mas eu continuava a achar que não me cabia a mim mudar-lhe os rumos, fazer com que escolhesse entre o que sempre planeara em termos de carreira, e uma mulher a quem amava profundamente, mas que também tinha um percurso e não passava por o acompanhar. Ir viver para uma cidade como Paris, que já ambos conhecíamos e na qual nos tínhamos amado profundamente, isso para já não era opção.

- Não te vais arrepender amor e fazer-nos sofrer aos dois?

Eu não sabia, não teria como, não ainda.

Voltei-me para trás, quando achei que já estava numa distância segura, e ai…

Lembro-me, sim!

Fiquei incrivelmente surpreendida quando me disseste que ainda te lembravas de mim dos tempos do liceu. Eu acabo sempre a admirar a capacidade que algumas pessoas têm de recordar rostos, situações, lugares, com imensos detalhes, porque eu não possuo uma memória visual apurada.

A vida é engraçada! Coloca-nos no caminho de outras pessoas, mas passamos sem as notar. De ti não me recordo e não porque fosses transparente, mas porque, e de entre tantos, nunca pressenti nenhum sinal que me fizesse voltar a cabeça. Na altura, e disso recordo-me bem, eu andava sempre altiva, raramente seguindo olhares, ou voltando a cabeça, sempre me incomodou que me olhassem e que me acompanhassem os passos. Agora ficamos ambos a pensar o que teria acontecido se nos pudéssemos ter realmente visto, um ao outro...

Falaste no meu tom de pele morena que se destacava. De eu ter tudo no sítio e de como te encostavas às paredes e me olhavas enquanto me movia. Não me impedi de sorrir perante a imagem e estou certa d…

Nas nossas vidas...

Estou a fazer uma formação de 50 horas sobre Liderança e Motivação de Equipas, que me tem fornecido conceitos novos, formas de estar bem e de fazer os outros estarem igualmente bem, em contexto de trabalho, mas que se enquadra perfeitamente à nossa vida pessoal.

Hoje resolvi ler algo às colegas e à formadora, porque me apeteceu, e porque nesta vida não deveremos calar o que é importante. Então reza assim:

"Eu sou das que acredita que nada nos acontece por acaso, e por consequência vim parar aqui, numa das formações mais dinâmicas e bem conduzidas que tive até hoje, e olhem que já foram muitas.

A Cláudia é uma Mulher espectacular, que nos tem passado conhecimento e vivências, mas que também partilha sorrisos e pedaços de vida.

Todas as colegas, muito embora eu não tenha, por incapacidade natural, fixado cada nome, têm sido uma tão agradável revelação, que estou certa irei sempre reconhecer cada rosto.

Estas 50 horas estão a ser de pura partilha, cumplicidade, gargalhadas sinceras e v…

Arrumar-me!

Fui deixando, de forma errada, para mais tarde, para amanhã, para...nem eu sabia para quando, a decisão de me arrumar sentimentalmente e agora está a ser mais difícil, claro!

Há decisões que se devem tomar, gavetas que terão que se fechar, quando terminar uma relação, ou de contrário arriscamo-nos a sujeitar terceiros a situações menos simpáticas e incomodativas. O tal ditado do "nunca deixes para amanhã...", tem a sua razão de ser.

Vamos ver se encontro energia, jogo de cintura e inteligência para resolver o que já deveria ter sido, para explicar, ou fazer entender, a quem já não me pertence sentimentalmente, que eu tenho direito a mim, e a incluir quem agora se tornou importante e essencial ao meu bem estar emocional.

Vou arrumar-me, não há alternativa agora!

Relações e Músicas!

Cada relação tem a sua música, pelo menos comigo tem sido assim, os sons e letras parecem feitas para o que sentimos e esperamos do outro!

Curiosamente contigo e para ti ainda não encontrei uma que nos defina, será que significa algo?

Vou ouvindo muitas e juntando pedacinhos de ti ao que aprendi a ser, mas terei que forçosamente mudar, porque tu és quem gostaria de encaixar na minha vida, com ou sem música, mas certamente com muitas palavras, todas as que conseguir usar para que saibas o que me vens trazendo, o quanto me deixas mais feliz, mesmo que por vezes quase grite de desespero e de não saber como te tocar, interpretar...

Ainda vou ter a nossa música, ela dirá de nós, e trará pedaços do nosso percurso. Se ainda não existir, eu escrevo uma!

New Days Come...

Every time we feel capable of dreaming so big, and so clearly, as if life was already happening, it will actually do!

Our hability to project ourselves, to see where and when we would like to be, can only help the Universe to fulfill its plan, and that is to make us happy.

I use this slogan as often as possible, "if you can dream it, you can do it", and the truth is that we actually can.

Keep moving forward, don´t give up on you just because of some "tiny" rocks on the pavement. Laugh back to what is tormenting you, and you´ll see the best of everything. I have !

Relações versus emoções!

Estava a ler no blog da Paula Novais (Diário de um Batom), a pergunta que todos nós, certamente nos colocaremos, em alguma situação da nossa vida, "o que estará alguém disposto a fazer por nós"? Pergunta fantástica, sobretudo porque quando analisamos os comportamentos, entendemos os sentimentos.

Do que adianta afinal que nos jurem amor eterno, que digam que somos "the one", se depois não são capazes de o mostrar, de se darem, de correrem atrás de nós, de nos pedirem para que fiquemos, apenas porque existirmos é o que faz a vida ser melhor, mais completa?

O desacreditar passa por esta sucessão de comportamentos, pela incapacidade natural que muitas pessoas têm, de não "perseguirem" quem amam. Quando se quer muito, não se desiste, procura-se ajustar, realçam-se as características e amenizam-se as incapacidades. Amar é o que nos mantém vivos, a respirar, a desejar que os sonhos se concretizem, é o que nos dá forças para escalar montanhas, para esperar pelo …

Not knowing!

I will keep on moving forward even not knowing where your love will take me, because I still did not give up sensing you, tasting the mouth I hear the best and the worst words from...

Louder than my voice speaks my heart, so loud it can deafen me, bringing down my strainghth, rising my fears, louder than the world outside is what I expect you´ll eventually say, hoping I don´t have to wait for too long!