Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2016

Pensamentos!

Quando percebes...

. Quando percebes que tens mais do que devias, que não te sabes dosear porque que as doses que passas apenas servem para matar quem gostarias de manter vivo, não te enches de orgulho, ficas apenas a ver instalar-se a solidão que já te ameaçava antes.

.Quando percebes que não encontraste a fórmula certa e que assustas mais do que esperavas, só te resta desistir e aprender a viver com quem és, tu contigo, sem te apagares e sendo até luz em demasia e calor insuportável, mas tu, sem ninguém a reclamar.

.Quando percebes, que falhaste e que não foste capaz de fazer o que para os outros parece ser tão fácil, viras as costas e segues na direcção oposta.

. Quando percebes, que serás, sempre 4 furos acima e impossível de encaixar no encaixe que esperavam de ti, regressas à concha e aceitas que a tua diferença apenas te deixa assim, diferente.

. Quando percebes que, afinal sempre soubeste que seria assim, sem quem saiba estar do teu lado certo, resignas-te e continuas a estar, tu, não importa o luga…

Pensamentos!

Pensamentos!

Eu não vou!

Não vou sem ti, não posso, nem quero estar onde não estiveres porque já és bem mais do que tinha e esperava. Não vou sem ti, até porque não teria onde ir nem com quem. Não vou sem ti, porque a vontade de fazer alguma coisa, passaria, rápidamente. Não vou sem ti, recuso-me a ser a única, a que fica sozinha numa solidão auto-infligida.

Eu não vou, não quero e não me imagino sequer a fazê-lo, porque ir seria desistir e eu sei que quando o fizer, metade de mim irá contigo.

Escolhas, decisões, lemas de vida e cedências, tudo é analisado e repensado quando já não somos apenas nós. Escolher quem manteremos connosco, decidindo sob qual a melhor forma. Mudaronosso lema de vida, do "eu preciso" para o, "eu tenho" e pretendo mantê-lo. Ceder, uma e outra vez, até e sobretudo perante nós, porque cada dia será um novo dia, para analisar e reavaliar.

Eu não vou, já cheguei aqui e pretendo permanecer!


Pensamentos!

Pensamentos!

Pensamentos!

O amor é assim...

O amor é assim, chega sem que se saiba porquê e vai, quando entende que ficar não adianta!

Quando o amor acaba, eu quero acreditar que pelo menos começou e esteve, da forma certa, enquanto ser certo se justificava. Quando o amor acaba, nada do que peças, desejes ou teimes em ver, poderá alguma vez voltar. Quando o amor acaba, certamente que se esgotaram as tentativas e as expectativas deixaram de existir e de fazer sentido. Quando o amor acaba, pouco haverá mais a dizer, e tudo o que sobrou, ficará para um outro.

O amor é assim, tem vida e vontade próprias e deseja muito para além do desejo como o conhecemos. Sabe-nos sempre ao melhor sabor do mundo e quando já não está, partimos com ele, para parte incerta, sem sabermos quando voltaremos e de que forma. O amor é assim, e tem tantas faces, olhares que apenas que se cruzam com os olhos certos e uma alma que, raramente, entendemos, até porque se mistura, de forma desenfreada, na nossa.

O amor é assim, e nem eu com todas as palavras que uso…

O preço de tudo!

E porque tudo tem um preço, sobretudo emocional, vamos ter que começar a perceber, de forma consciente, quanto "pagamos" para sermos nós, para estarmos no "nosso" lugar e para prosseguirmos na direcção a que nos propusemos!

Pagar para manter o que nos mantém, não nos defraudando, não mais do que conseguimos aguentar, certamente que será uma das soluções. A irreverência, a teimosia desmedida e a ideia de que podemos tudo, quando e de cada vez que quisermos, é apenas teórica, porque a vida prova-nos exactamente o contrário.

Tudo vem com etiquetas, umas de valor inatingível e outras bem mais acessíveis e possíveis de "pagar". Tudo o que conhecemos, aqui, neste lugar que é tão nosso quanto o queiramos pensar, deve ser pago, e por vezes com a própria vida, não numa morte física, mas numa, bem mais dolorosa, aquela que nos esventra a alma e nos desgasta o espírito.

O preço de tudo o que nem precisamos de comprar, limita-nos, os desejos, os sonhos, os sorrisos e …

Pensamentos!

Pensamentos!

Pensamentos!

O teu nada...

O teu nada pode bem ser o meu tudo!

Não podes, nem deves, desvalorizar o que sinto, porque poderás estar a deixar passar, em branco, o que para mim será, mesmo, importante. Não podes apelidar de nada, o que não entendes, perdendo o significado de quem deveria significar muito para ti. Não podes apenas olhar para o que te faz feliz e completa, se do teu lado não estiver quem se encaixe e sinta o que sentes tu.

Os dias correm bem mais acelerados e devagar quando temos a pessoa que reconhecemos, porque precisamos de saber de tudo, com a devida velocidade, para que não se percam os momentos que nos poderão manter, ao invés de desistir. O tempo e apenas ele, nos dará a face de quem entrou na vida que não queríamos continuar a levar, da mesma forma, mudando-lhe o formato e ajustando-o para que caibam dois.

O teu nada por vezes assusta-me e deixa-me na insegurança que sempre sentirão os que ainda sabem pouco. O teu nada resulta num tudo que nos faz repelir quem precisamos de manter. O teu nada

Pensamentos!

Prémio Blog do Ano!

O universo dos blogs está identificado e instalou-se em diversas categorias, sendo já alguns bloggers, verdadediras referências. Ao contrário do que muitos serão levados a crer, blogar é um trabalho que não contempla fins de semana ou sequer férias. Exige-se muita dedicação e muita entrega, porque os resultados são visíveis e permitem-nos a sensação única de preenchimento pessoal.

Sou blogger desde 2012 e acrdeito ter conseguido um cunho diferente e personalizado, por esse motivo vou pedir a vossa colaboção na recomendação do meu blog para o primeiro prémio criado na categoria de blogs.

Deixo abaixo o meu link, bem como o do site para o qual deverão recomendar.

Obrigada a todos quantos me seguem e recordam, diáriamente, que vale a pena andar por "aqui"!

http://suesotto.blogspot.com
www.blogsdoano.pt

Pensamentos!

Pensamentos!

Até quando?

Por vezes, se não na maioria delas, a forma como olhas e respeitas os outros, não te confere igual respeito. A sensação com que ficas, é a de que nunca serás bastante, nem boa, nem má, nem igual, nem sequer perfeita, para entrares no círculo de perfeição que te impõem.

Até quando consegues antão, aceitar o que te "dão", recusando o que não te serve? Que vidas, acabas a viver, se não for a tua? Que voltas e reviravoltas dás, para que não te cobrem?

Acredita que NUNCA serás suficientemente boa, e por vezes nunca conseguirás chegar ao limiar da imagem que fazem de ti, porque por vezes decidem, porque sim, que serás o que fizerem de ti, subindo, ou não, nas expectativas que se atreveram a criar.

Até quando vais deixar que te digam o que fazer de ti? Até quando vais continuar a sonhar com o que dirias se fosses corajosa? Até quando te vais lamentar do que deixaste por fazer? Até quando?

Pensamentos!

Nem sempre...

Nem sempre estás só e nem sempre estás com quem precisas e onde te imaginas. Nem sempre o doce tem o sabor que precisavas e nem sempre o amargo te deixa sem quereres voltar a experimentar. Nemsempre o amor que acreditas saber dar é o bastante para que te amem de volta. Nem sempre o sempre será a palavra mais usada, porque raramente se quer para ficar, para durar, para o bem e para o mal.

Estares, apenas tu, sem um caminho definido, pode até parecer-te natural, porque é o que fazes, mas precisas, sempre, de quem o caminhe contigo e faça valer a pena cada pedaço mais irregular, todas as subidas e as descidas íngremes. Quando perceberes que chegaste ao momento em que nada parece ser o bastante, então já estás onde é suposto e é preciso que não estejas sozinha. Quando entenderes que podes ceder e mudar, deixando de lado a consistência que te mantinha apenas tu, então podes recomeçar.

Nem sempre será fácil e claro, mas nem sempre trará dúvidas ou sequer dores insuportáveis. Nem sempre terás…

Pensamentos!

Pensamemtos!

Pensamentos!

Pensamentos!

Pensamentos!

Nada como...

Nadacomo um pouco menos de nós para querermos e precisarmos de ainda mais. Nada como o medo de ficar sem ti, para passar a querer-te, a dobrar, com um desejo que cresce numa proporção desmedida. Nada como estarmos juntos, juntando o toque que nos relembra das razões e dos porquês que fizeram de nós quem somos agora. Nada como, imaginarmos, o nada, o que nos sobrará se não nos tivermos, para recurarmos e escolhermos não desistir.

Por vezes pouco teremos que fazer para que o outro se sinta seguro e completo. Mas por vezes, nunca faremos o bastante e acabaremos, na maioria das noites, a sonhar sozinhos. É sempre tão mais fácil recuar, destruir, sair e não olhar para trás, do que permanecer, manter e cuidar de quem muito certamente acabará por cuidar de nós. Por vezes bastará, sermos vistos, passando a felicidade que voltará, para nós, num efeito permanente e natural. Mas nem sempre, nem em todas as horas dos dias que se prolongam, conseguimos mostrar quem somos e o que precisamos para con…

Pensamentos!

Pensamentos!

Quem seríamos?

Quem seríamos, se não fôssemos, nós mesmos, grande parte do tempo, porque nunca será possível sê-lo o tempo todo?

De que forma podemos vestir outra pele, ser alguém novo e renovado, se deixamos de nos reconhecer? Não é fazível, nem sequer tolerável, não por nós, não por muito tempo. Ou nos escondemos e nos recusamos o que sabemos, sobre nós, vivendo numa vida paralela, rindo quando a vontade é chorar e chorando, sozinha e amarga para que ninguém nos julgue, ou somos quem sempre fizemos por construir e arcamos com a rejeição, com as cobranças e com as incapacidades de nos verem para além de outros.

Desaconselho, vivamente, a que finjam olhares e que usem as palavras que nunca foram as vossas. Aconselho, e até consigo provar-vos que é melhor forma, a que não desistam de vocês para incluir quem desistiu mal começou. Peço-vos que olhem, com respeito, para a pessoa que não vos consegue abraçar, mesmo, com ambos os braços, encostando-vos no corpo que julgaram poder partilhar sempre. Aceitem…

Pensamentos!

Pensamentos!

As minhas e as tuas dores!

Existem feridas que demoram a sarar e que nunca vão doer da mesma maneira, não as tuas em mim e certamente que não as minhas em ti.

As minhas dores vêem de tudo o que fiz e do muito que não arrisquei fazer. As tuas terão cores próprias, envoltas em tempos e momentos que viveste. Nada se mistura quando a mistura provoca danos que não conseguimos reparar. Nada se reverte enquanto nos mantemos numa vida que já não é a nossa, olhando para o que deixámos terminar. Nada se cura se a ferida alastra demasiado e não identificamos a causa.

As minhas dores vão-me doer, a mim apenas, e nunca as irei querer tornar tuas, até porque não terias forma de as medir. As tuas dores, aos meus olhos, parecem ser bem maiores que a tua capacidade de lhes resistires e é por isso que nos deixamos a doer, sozinhos.

Quando a verdade dói e quando a realidade te engole, o que sentes vai impedir-te de ver diferente, e melhor. até o que ainda existe de bom. A solução será manteres a dor, guardando-a num lugar especial…

Pensamentos!

Pensamentos!

No teu olhar!

É no teu olhar que me vejo e sei o que te passo. É no teu olhar que sei o que te sentes capaz de fazer, para que eu fique do teu lado. É no teu olhar, que até me serve de espelho, que tempo após tempo, sinto o que somos, ambos capazes de fazer.

Deixar-te ir nunca será opção, porque estaria a desistir de mim e do que passei a ser por tua causa. Fechar os olhos, neste momento, apenas para desejar que cada um dos meus desejos se realize. Parar de fazer o que te carrega, abandonando o corpo que apenas se move na tua direcção, seria parar, de me mover, de me sentir e de me querer.

Não quero deixar de te ter. Não posso, já não, abandonar o que comecei, quando tu recomeçaste, connosco, com a mulher que acreditavas existir. Não posso continuar o percurso sozinha, já não faria sentido nem teria o mesmo sabor. Não quero largar a tua mão, porque a minha encaixa-se, perfeita.

É no teu olhar que eu sei, com toda a certeza, que tenho quem mereço e passo quem sou!

Pensamentos!

Mal-me-quer, bem-me-quer...

Mal-me-quer, bem-me-quer, muito, pouco ou nada?

Estarmos, dois de nós, na mesma sintonia, passando pela mesma onda e no mesmo momento, é tão raro agora, como o será sempre acertar nos números do euro milhões. Sabermos que gostamos do que gosta o outro e que conseguiremos seguir pelos mesmos caminhos, mesmo que não saibamos quais serão, faz-nos querer mais, tudo. Sentir os mesmos impulsos que nos levam a desejar que os dias nunca terminem e que não precisemos de fechar os olhos, deixando de ver quem nos olha, é o que precisamos para continuar a querer.

Mal-me-quer, bem-me-quer. Eu quero o que queres tu e espero conseguir manter-nos assim, um no outro, até que querer seja tão natural como ser.

Ninguém disse que seria fácil, ajustar, confiar, perceber do que percebe o outro e sobretudo "juntar" vidas e projectos. Ninguém nos explica os meandros de relações novas após as relações que nos marcaram. Ninguém resolve, por nós, os timings que teremos que incorporar, permitindo que o ou…

Pensamentos!

Pensamentos!

Pensamentos!

O dia dos que contam!

Lá vamos nós, a mais um dia, de alguém ou alguma coisa. Pelo menos serve o propósito de nos lembrar do que não deve ser esquecido, se é que tal é possível!

O dia dos que contam e que por norma são poucos, mas que queremos bons, estando presentes até na ausência física. O dia dos amigos, dos que soubemos manter, construindo, dia após dia os alicerces e reconstruindo as derrocadas, porque também existirão. Os amigos que nos ficam, depois das inúmeras tempestades emocionais, já sabem como nos ler, rindo com o nosso riso e chorando com as lágrimas que passam a ser as suas. Os amigos que sobrevivem à nossa passagem pelos vários estágios de uma vida que nos testa, ao limite, sabem de nós, tanto quanto sabemos nós. Os amigos que ficam quando tudo se desmorona, ajudam-nos a reerguer e seguram-nos, mesmo que por breves momentos, mas que no fundo serão os que fazem a diferença.

Eu tenho os amigos que fiz por merecer. Tenho acrescentado alguns, de mansinho, com todas as exigências que me imponh…

Pensamentos!

A vida em códigos!

Se soubéssemos, se entendêssemos, mesmo, a vida com cada um dos códigos com que nos "presenteia" diáriamente, certamente que as nossas escolhas seriam mais acertadas. Se houvesse forma, e talvez haja, de nos entendermos, a nós e a todos quantos vão surgindo, nem sempre por escolha nossa, quem sabe alguns dos dramas não passariam apenas a ser momentos difíceis.

A minha experiência, aquilo que aprendi e que me trouxe até onde estou hoje, não será a tua e muito dificilmente conseguirás encaixar, de forma perfeita, os passos que tive que dar, nos teus. Os teuscódigos são outros, e as tuas escolhas levar-te-ão mais ou menos longe, assim o desejes.

Tanto que nos falam na força, mal começamos com os primeiros passos e ainda bébés, mas a diferença é que aí, e durante algum tempo, teremos as mãos que segurarão as nossas, e os olhares que guiarão as nossas escolhas momentâneas, levando-nos onde acreditam ser mais certo e seguro. Ter força, mantendo-a para quando nos fizer mesmo falta…

Pensamentos!

Pensamentos!

Dezanove de Janeiro!

Na nossa vida teremos sempre dias importantes, aqueles que nos marcam, para o bem e para o mal. Na minha vida passaste a estar tu, bem como o dia em que comecei a olhar-te de outra forma. Desde que te tenho o que ficou para trás passou a ter menos importância, mas o nosso passado trouxe-nos até aqui e hoje, seis meses depois, com tanto que já se disse, sentiu, chorou e riu, recordar só nos pode deixar com vontade de muitos mais dias dezanove.

Tu sabes a importância que tens na minha vida e eu não me canso de te dizer, todos os dias, que sem ti nada poderá voltar a ser igual. Contigo percebi que nada é impossível e que o amor
torna tudo tão fácil e difícil, mas que apenas juntos poderemos usufruir do que nos faz bem, afastando o que nos magoa.

Quero que te mantenhas aí e aqui, confiante na confiança que passei a ter em nós. Quero que saibas que te tornaste a razão pela qual me sinto capaz de mudar até de planeta. Quero que sintas o que sinto eu de cada vez que te oiço, com a voz que me…

Ter os teus medos!

Eu sinto o que sentes tu. Eu respiro o teu ar e misturo-o para manter o meu mais limpo. Eu deixo o meu sono desassossegado de cada vez que não dormes. Eu sinto-te assim porque tenho metade de ti comigo e porque não me consigo distanciar demasiado.

Ter os teus medos de cada vez que ameaças ruir, pela insegurança que te passo mesmo quando acho que estou a ser segura. Ter os teus medos, porque pareço não fazer o bastante, para que nunca duvides que a minha vida passa pela tua e pretende ficar. Ter os teus medos para que eu saiba, mesmo, o que significa estar no teu lugar.

Não consigo ter qualquer prazer com o alegado sentir que te passo, porque se não estiveres bem eu não poderei ficar. Não quero, em momento algum, que o desconforto se apodere de ti, porque se eu sou a mulher que escolheste e reconheceste, então sou a certa, para ti. Um casal são dois, em tudo e para tudo, e é por isso que ter os teus medos será sempre inevitável.

Deixa-me sossegar-te por favor e larga cada um dos medos …

Pensamentos!

Pensamentos!