Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2017

Querer, sempre!

Precisa-se de manual para solteiras!

Do que necessitam as mulheres solteiras de hoje para conhecerem a pessoa certa, de um manual? Não seria de todo má ideia, poderíamos compilar um, juntando as experiências de todas as mulheres que vão passando pela tormenta do regresso ao mercado!

Queixamo-nos de que não estão disponíveis, os homens claro, que procuram apenas aventura, descomprometimento, ligeireza, mas quando se decidem, quando querem assentar e ter-nos por inteiro, acabamos a queixar-nos de que estão demasiado presentes... "What a pain"! Somos seres complicados, quanto mais tempo estivermos sozinhas, mais criamos manias difíceis de contornar e dramas menores à volta do suposto senhor certo. Acho que o manual terá mesmo que ser compilado, porque a cada dia percebo que as mulheres se estão a transformar em indivíduos, pessoas com vontade própria e sem qualquer génese feminina que se pareça com o antes. Agora querem liberdade, ir quando lhes der na real gana e voltar sem qualquer controlo. Querem escolher o q…

O que esperam as mulheres nos primeiros encontros?

Do que gostam as mulheres e o que esperam nos primeiros encontros?

Se tudo fosse apenas um jogo, se convencer alguém do que queremos parecer pudesse ser vivido como num filme, do género "Como perder um homem em 10 dias", acho que poderia mesmo escrever um artigo fabuloso. Nós sabemos do que é que um homem não gosta e eu vou enumerar algumas:

. Das lamechices que deveremos esconder, para apenas mostrar mais tarde, mas quanto mais demorarmos, mais aguentam depois, coitados, eles é que não sabem.
. O homem não gosta nem entende a vontade sexual latente da mulher, porque mulher que é mulher, pode querer o mesmo que um homem, mas mais de mansinho, apenas q.b. e a roçar a ingenuidade.

OH SANTA BÁRBARA, a que chamamos quando troveja, é TÃO, mas TÃO fácil enganar um homem, até já os estou a ouvir comentar com os amigos - "é boa como o milho, mexe-se bem, é sensual e ainda por cima não anda com este e com aquele, é recatada, quase envergonhada". Asério? Não sei se rio ou se…

O que podes fazer do passado?

O que podes fazer do passado?

Posso apenas dizer o que faço com o meu, porque há muito que deixei de viver lá. Deixei de me ficar no que correu mal e em tudo o que acreditei não ter sido feito meu, porque o caminho para o resolver foi o da aceitação e eu aceitei a realidade, sem qualquer camuflagem que me servisse:

. Aceitei que apenas me fizeram o que permiti;
. Aceitei que tive sempre forma de escolher, mesmo quando não escolhi nada;
. Aceitei que teria que passar por muito do que veio até mim, de contrário não cresceria;
. Aceitei que o passado me trouxe até ao presente que agora só poderá andar em direcção ao futuro que eu antecipo.

Não sou nostálgica e não me foco no que terá sido certamente o melhor período da minha vida, apenas porque não tinha o peso da responsabilidade e o EU podia ser usado em pleno. Vivi-o, usufruí de tudo e deixei-o ficar lá, no lugar para onde volto quando preciso de entender algumas das coisas que faço. Volto e espreito, por vezes a sorrir e outras com t…

Pensamentos!

Se não te parecer bastante, não aceites!

Mesmo que te faça acreditar que és tu, terás que o sentir muito mais do que o ouvir. Se alguma coisa não te tocar bem dentro, se a forma como te sentires deixar algo para trás e com dúvidas, não aceites.
Talvez ele tenha uma forma especial, um olhar que te mova as entranhas, um som específico que te ligue todos os botões, mas o que disser terá que soar a verdadeiro, a real, a possível, se não o for, não aceites. O meu conselho passará para que te conheças muito bem, para que saibas, exactamente o que esperas de ti e de quem embarque numa nova viagem. Se sabes de ti, se sabes como queres, quando e por quanto tempo, pede para que seja igual, na mesma sintonia, com a mesma entrega, se não for, não aceites. Não te bastará gostares por dois, nunca será o bastante, nunca substituirá o que também precisas e mereces sentir. Nunca haverá forma de ocupares dois lugares, de teres duas vozes e de te abraçares a ti mesma. se não tiveres quem te ame como o diga, não aceites.

Quando te falarem de a…

Amores que o tempo não apaga!

Quando passares a ser o melhor que o meu melhor reconhece, então estaremos prontos. Quando tudo o que nos faltava acertar se enquadre na visão que temos ambos da vida, nada mais terá forma de nos afastar. Quando perceberes, tal como já o faço eu, que o amor tem forma de curar qualquer medo até e sobretudo os infundados, conseguirás vir até mim e ficar.

Já me deixei de julgamentos e de tentar entender o que apenas a ti cabe, porque mesmo que tentasse, com toda a minha vontade e que é muita, nunca seria capaz de sentir o que sentes, até quando a tua dor ou a falta de colo de que padeces, me toque e me revolva as entranhas. Já sei quem és, o que tens e o que és capaz de me dar. Já sei o que importa e a verdade é que nada importa se não te tiver. Já não busco por mais ninguém, se é que alguma vez o fiz, porque o que encontrei está em ti e contigo. Nós somos a energia que conseguimos acumular e passar ao outro. Nós somos a quantidade de desejo que já vem de muito antes de nos sabermos por…

O sabor amargo da perda!

Já o sentimos todos. Já saboreámos o sabor que não queremos repetir. Já estivemos desfeitos, pequenos e incapazes de entender o que nos reservara a vida. O sabor amargo da perda, aquele que nos faz duvidar até de nós e que por vezes nos impede de querer continuar.

A dor até pode ser mensurável, mas cada um entende da sua e arranja forma de desvalorizar a do outro. A perda que sempre carrega uma dor que não explica, tem que ser também ela entendida e catalogada, porque perder, mesmo, é não ter forma de voltar a ver, sentir, tocar ou sequer sonhar. O sabor amargo da perda é todo ele de um único paladar, porque com a perda vem a realização do muito que deixámos por fazer, ou de tudo o que tanto tentámos, mas fomos incapazes de ver acontecer.

Perder, mesmo, e eu sei porque perdi quem outrora esteve sempre, mesmo que quase nunca tivesse estado, não quando o meu coração cansado tinha vontade de desistir. Não quando as lágrimas rolavam sozinhas, sem quem as entendesse ou amparasse. Não quand…

O vermelho do teu som...

És enigmática, sensual, poderosa e determinada. A música ritmada que move o teu corpo, o mesmo que me enlouquece quando te vejo vestida de vermelho sangue, lembra-me de tudo o que sonhava muito antes de saber que existias.

Falaram-me de alguém que adivinhava o futuro e que usava cartas que falavam uma língua própria. Eu mesma as vi, passadas de mão em mão pelas mãos que me levaram até ti. Juro que percebi, logo ali, que terias um rosto e um olhar muito próprio que me olharia e recebi a confirmação.

- Deves procurá-la, sem nunca desistires, porque ela virá. Ela é a tua extensão, tal como se fosse a guitarra que não te cansarás de tocar.

Disseram-me que deveria procurar-te e foi o que fiz, muito mais determinado até que chegaste, ou cheguei eu, atraído pelo som de uma rumba com mistura de flamenco. Vi o vermelho do teu tom, porque ele não estava apenas na roupa que te cobria, mas que deixava tanto por adivinhar, a música era o cenário que tornava tudo perfeito, como perfeita passaste a…

Pessoas iguais a nós!

Certamente que existem por aí pessoas iguais a nós, nem faria sentido que assim não fosse. De cada vez que desatamos a julgar os outros, ou porque achamos que são menos, ou porque decidimos que são mais, deveríamos usar o bom senso que sempre assola quem acredita que até prova contrário devermos confiar nos outros tal como somos confiáveis. Ou será que não somos?

Na minha opinião está aqui o cerne de toda a questão, porque tendemos a avaliar os outros por nós, pelo que somos, pelo que não conseguimos ser e por cada um dos medos de que somos feitos. Toda a gente, sem excepção, é inocente até que a culpa se defina. Assim sendo e ao invés de andarmos sempre com ambos os pés atrás, quem sabe um pouco mais de boa fé e discernimento não tornassem tudo o que fazemos por aqui bem mais fácil.

Eu quero e procuro pessoas iguais a tantas outras que já conheço e consigo catalogar. Quero a certeza de que sou feita, porque já sei o que quero e porque escolhi, de forma determinada, o que NÃO quero p…

Conseguir visualizar!

Conseguir sentir que já chegámos ao lugar certo e visualizar cada canto, todas as cores, os movimentos que nos farão mover os pés, olhando de fora, mas estando bem dentro, não é de todo fácil, mas se o conseguirem poderão ver como os processos se aceleram e como acabamos do lado de lá!

O pensamento positivo, o foco, a capacidade de saber exactamente, como queremos alguma coisa ou alguém, coloca o Universo a trabalhar para nós com mais afinco e sem erros. Tudo na vida é um processo mais ou menos moroso, mas muitos de nós ficarão apenas pelas desejos, sem tentativas, com medo de arriscar, ou sem muita credulidade perante o que até pode ser simples. Estamos habituados a acreditar que nada vem quando precisamos, que o dinheiro é um mal necessário e só trás infelicidade, que não adianta esperar pelo homem, ou mulher certos, porque para "nós", os comuns mortais, nunca chegarão, ou a chegar não estaremos prontos.

Temos que conseguir visualizar e saber como se faz após muito treino …

Quando?

Quanto tempo é suposto levar-se até que se usem as palavras "mágicas", as que nos farão repensar tudo numa relação nova?

Do nosso passado trazemos história, a que nos envolverá para sempre e de forma irremediável, com quem fez parte dela, e isso assusta quem chega, deixa enormes desconfortos, até alguns medos que se instalam sem permissão. Mas talvez se possa olhar de forma diferente, e em vez de história, sejam apenas memórias, porque essas poderemos criar com qualquer pessoa, diferentes, novas, sem bagagens pesadas, mas importantes na mesma, quem sabe até bem mais importantes que as anteriores.

Quando é que podemos despejar, literalmente assim, tudo o que nos parece sobrar e já não caber dentro? Quando conseguir que o outro não nos sinta de forma demasiado intensa? Quando deveremos, também nós, parar de nos refrearmos e apenas usarmos nos momentos certos, o que passou a valer a pena?

Já sei que não existem manuais, por isso só me resta usar a intuição, deixar que as fibras…

E se?

E se tudo tivesse começado de forma diferente, será que teria terminado melhor?

Nunca sabemos que lugar nos está reservado quando permitimos que o nosso olhar se pouse em alguém, que até poderia não nos estar reservado, mas que apareceu quando fazia falta, acabando a mudar o que não estava certo. A vida terá um sentido e a direcção que lhe dermos, baseada nos desejos que conseguimos criar e manter, porque desistir será sempre a opção mais fácil, mais rápida, mas manter, lutar, querendo quem já provou que nos quer, dá uma enorme trabalheira e obriga a reajustar uma infinidade de pequenas vidas.

E se eu te tivesse aceite, logo, permitindo que me entrasses quando tinhas todo o fogo que uma paixão imprime? E se o momento de onde surgimos ambos, nos tivesse provasse que passaríamos a ser "nós", sem que nada nem ninguém precisasse de confirmar o que já saberíamos? E se a forma como te aprendi a amar no depois, tivesse surgido quando o pediste, no segundo em que me tocaste e eu sent…

Não me julgues...

Não me julgues. Não olhes apenas para o que sou incapaz de fazer. Não te fixes nas palavras que não uso pelo receio que tenho de nunca mais as poder apagar e tu até sabes que assim é. Não me peças para que te explique o que nem eu mesmo entendo, talvez porque seja fraco, ou porque como tanto gostas de repisar, talvez nunca te tenha amado o bastante.

Não me julgues, porque somos duas pessoas tão diferentes quanto iguais. Também tu foges do que não te acrescenta e desistes das batalhas que não podes vencer. Não me julgues pelo facto de seres mais aguerrida do que eu no amor, tendo mais certezas em menos tempo, eu sou de uma outra dimensão e na minha tenho que controlar até o ar que respiro, já a ti...

Não me julgues por não gostar desse teu modelo super avançado e impossível de ler. És assustadoramente imprevisível e tens um espírito demasiado livre para que me sinta seguro. Ter-te nunca significará que me pertenças. Sentir-te, acontecerá quando estiveres disponível e estás sempre, tanto …

Vais ceder?

- Afinal quando é que paras de te parar e te deixas ir?

No antes este tipo de pergunta deixava-me a espumar da boca, mas no agora tenho que admitir que tens razão e estou pronta para ta dar.

- Experimenta, por favor, uma vez que seja e depois diz-me se é, ou se há possibilidades de poder vir a ser. Não estou a pedir muito.

Já estou há demasiado tempo sozinha e estou decidida a aceitar que me cansei e que quero mais. Preciso de ter alguém que me complete, que cuide dos pequenos pormenores. Alguém a quem eu possa chamar sempre que me fizer demasiada falta, sabendo que virá. Esta porra de ser resolvida e independente resulta e serve só até que todos o entendam assim, porque depois tem que haver um depois, algo que continue e que permaneça.

Estou pronta, sim. Vou tentar desta vez, sim. Quero mudar e acertar-me com quem me acerte, sim.

Já não preciso de me provar mais nada e deixei que o peso da solidão me vencesse pelo cansaço e pela obstinação. Já não precisode continuar sozinha, porque…

Ter sempre certezas!

Ter sempre certezas, supostamente seria algo bom e benéfico para todos, mas a verdade é que com as certezas chegam também algumas angústias e amargos de boca!

Eu sou das que por norma odeia ter razão, porque a tê-la significa que os outros cessaram de me surpreender. Enquanto duvido ainda as tento ver da minha forma, mas depois...

Cada ser é um ser, nada a fazer e francamente, o que seria do amarelo? Uns serão obviamente, mais inteiros do que outros, percebendo até onde deverão ir para não magoar deliberadamente ninguém, mas a maioria ainda precisa de MUITA escola de vida, até entender que o que der receberá de volta e mesmo que se desvie umas quantas vezes, acabará sempre como alvo.

Já ando por "aqui" há umas décadas. Jáaprendi muito, mesmo reconhecendo que muito mais me falta aprender, sobretudo sobre a condição humana, sobre o que danifica tanta gente e as terá deixado tão amargas, que nem um amor verdadeiro as consegue curar.  Já percebi que o passadodeve ficar no passado …

Promessas!

Podes vir que eu estou pronta!

Podes vir queestou mais do que pronta e nunca como antes te vi com tanta clareza!

Seria TÃO fácil que todos estivéssemos na mesma sintonia, querendo quem nos quer, olhando e vendo quem nos vê, mas a lei da atracção tem caminhos que nem sempre entendemos e por isso uns caiem enquanto outros já estarão em pé e a caminho.

Como canta o Roberto Carlos, o ideal seria prometermo-nos que só iríamos gostar de quem gostasse de nós, mas às tantas esta história do amor perderia toda a sua graça se fosse previsível e se soubéssemos como terminaria, bem antes de começar. Claro que também não era preciso doer tanto, sofrendo, muitas vezes em vão, mas quem sabe com tantas partilhas, com tantas vidas que se vão vivendo de forma mais aberta, não encontraremos, muitos de nós, a medida certa, o peso que a balança comporte, estando no lugar que colida positivamente com o outro.

Eu, a que escreve há tanto tempo, nunca vi tanto como agora, mulheres e homens a pedirem ajuda, a quererem ver as suas palavras pa…

Somos muito mais do que vê!

Somos muito mais do que se vê.Nunca ninguém nos conhece apenas pelo que mostramos e parecemos, porque isso seria tão pequeno e redutor, que chegaria a ser insultuoso!

Somos muito mais do que vê, para o bem e para o mal, porque alguns escondem, bem dentro de si, o que jamais arriscaríamos querer ver. Nós somos o reflexo da vida que quisemos levar, escolhendo o que nos parecia certo, ou até sabendo que seria errado, mas embarcando assim mesmo. Nós somos quem deixámos e quem acabámos a criar, depois de muitas lutas perdidas e batalhas começadas. Nóssomos o resultado dos lugares de onde viemos e que permitimos que nos influenciem. Nós somos quem já amámos e nos conseguiu engrandecer ou diminuir. Mas nós somos, sobretudo e acima de tudo, o que quisermos continuar a ser.

Não tenho nada para ensinar, apenas uso o que já sei em proveito próprio, mas empurrando os que convivem comigo para a frente e jamais para o abismo. Começo cada relação, até as de amizade, avaliando os outros pelo que sou e…

Things I´ll never have again!

Things I´ll never have again. I wont have you. I´ll never have many of the little things that now seem so big. I´ll never feel your touch, or see your eyes as they looked at mine. I´ll never be kissed so pationately, that I could even feel your soul. I´ll never hear the words

Today is surely different from the day before, and because I no longer have you, it can never be like tomorrow. I know what was lost even before being found. I know how little I knew when you were here, when I could show myself in all ways. I know how much you´ll be missed, because I ended up not seeing you even when you were with me. There´s so much I already know, but nothing I can really use, because no part of you is close to any of mine.

There are so many things I´ll never have again, but I always knew they´d be missed as much as I miss you. I´m not counting. I´m not slowing down, but I´m not moving forward, not for now, not until you´re on the list...

Que razões terá o meu coração para te amar?

Que razões terá o meu coração para te amar?
É uma das perguntas que me fazia e já foi tempo em que rebuscava as respostas, hoje sei perfeitamente de todas e de cada uma. Controlei muito pouco e será certamente assim para todos, mas concordei com quase tudo, durante o tempo em que amar-te era o que fazia melhor, depois tomei a dianteira e decidi o que me servia.
A pergunta está feita num tempo verbal errado, porque as razões que o meu coração teria para te amar deixaram de existir. Escolhemos sempre a forma como queremos ver os outros e mesmo que te tivesse visto por dentro, sentindo a tua essência, também fui capaz de ver as tuas incapacidades e não gostei do lugar que me destinavas.
O meu coração sabia porque razão te amava da única forma que ele consegue, intensamente, mas também se vergou perante a minha realidade, porque de cada vez que conversamos, e fazêmo-lo muitas vezes, arranjo forma de lhe mostrar o óbvio:
. Quem ama está, luta, quer e procura soluções; . Quem ama não desis…

Palavras no tempo e momento certos...

Ouve-me meu querido!

Ouve-me meu querido, é contigo que estou a falar agora. Foi de ti que me lembrei quando a vida me lançou uma carta premiada. Estás no cimo da lista quando a felicidade me ataca, ou a tristeza me envolve, dominando o meu riso quase sempre fácil.

Tenho novidades que preciso de partilhar com a segunda pessoa mais importante, porque depois de mim és quem me domina os pensamentos e recorda do que nunca terei forma de esquecer. Estou a um passo de me distanciar ainda mais de ti e começo a perceber que não farás nada para mudar o nosso curso, mas ainda assim quero que me consigas ouvir, só que seja mais esta vez. Estou a sofrer de uma enorme nostalgia, porque de cada vez que vejo e oiço casais que partilham vidas, pensamentos e desejos, encolho-me mais um pouco e sinto-me irremediavelmente pequenina. Precisava tanto de te dar o que sinto e estou a pensar. Precisava tanto de te ouvir tecer considerações e largar até as opiniões mais parvas, mas que viriam com a preocupação que tens comigo. Pr…

Desejo-te o melhor do mundo!

Desejo-te o melhor do mundo! Quando o digo não estou apenas a ser simpática, é realmente assim, porque a tua felicidade só poderá acrescentar a minha. É desta forma que amam os de alma tranquila e determinada, sem mágoas, sem cobranças, aceitando que existirão sempre coisas que não terão forma de mudar. Duas pessoas representam dois corações. Duas histórias com avanços e recuos, com alguns sonhos concretizados e muitos desfeitos. Com medos que foram descartando ou que se colaram para sempre. Duas pessoas deverão ser a força que cada uma precisa e nunca a fraqueza que fragiliza as duas. Duas pessoas terão que ser capazes de se amar da mesma forma, com igual intensidade, muita entrega e total abnegação.

Amar deveria ser fácil, dizemos nós porque desejamos que os problemas se esfumem apenas porque estamos com todos os sentidos em sobrecarga, mas a realidade não deixará de o ser apenas porque esbarrámos em quem teria que passar por nós. A minha e a tua vida vai continuar a correr. O que d…

Eu e tu, ligados...

Nem sempre conseguimos entender o que nos liga a quem surge na nossa vida. Nem sempre temos em comum o que nos poderia manter, mas porque no amor nada precisa de fazer sentido, devemos escolher o que escolhe o nosso coração e deixarmo-nos levar, de forma suave ou intempestiva, para onde for possível, durante o tempo que o tempo permitir.

Eu e tu, ligados, somos de uma combinação explosiva. Tudo em nós se encaixa e faz sentido. O teu respirar só sossega quando o meu se junta e é a respirarmos juntos que grandes coisas acontecem. Eue tu, ligados, não conseguimos terminar o que começámos, porque nunca parecem existir dias que bastem aos dias que vamos vivendo. Eu e tu, ligados, fazemos com que tudo pareça estar fora de sítio e é por isso que nos envolvemos da forma que parece ser a certa. Eu e tu, ligados, não procuramos demasiadas respostas, talvez porque nem existam, mas que nos sabe bem sabermo-nos assim, já é validação que nos baste.

Que bem sabe ter na boca o sabor do que podemos, m…

O que pensei?

O que pensei? O que esperei? Não te sei dizer, julgo que tudo, ou demasiado, mas sentindo um friozinho que quase me preparou para o nada e foi mesmo nada que tive!

Posso ir sofrendo revezes, mas o certo é que me arrependo cada vez mais do que faço e é dessa forma que pretendo passar a conduzir a minha vida, porque considero que só valerá a pena enquanto for assim. Só me consigo tranquilizar se me lançar, não para o abismo, mas para o que move o meu Universo, os sentimentos, os desejos, as palavras e as emoções que cada ser me larga quando se cruza comigo.

O que pensei? Que não irias fugir, que serias capaz de me "chamar", de me provar que estava errada, de me dar, só que fosse mais um pedaço do que julguei já ter tido de ti. Nunca deixei de te dizer o quanto te queria, mesmo quando acrescentei as palavras que certamente dispensarias, mas tu sabes que sempre me tiveste em pleno, que nunca me camuflei porque não o sei fazer, nem preciso, simplesmente porque nenhum prazer advém …

O que precisas de ter?

O que precisas de ter agora, neste momento, para teres alguém novo? Ainda não sei muito bem, porque mesmo que os supostos predicados dos quais não abdico, estejam presentes, a verdade é que não sei o que preciso para ser capaz de recomeçar, aceitando sem um passado revolto, quem se atreva a chegar.

Digo-me constantemente, que deveria relaxar e apenas permitir que aconteça, mas a minha costela de controladora controla até as minhas emoções e acabo a afastar que até poderia ser o que quase me canso de esperar. Por vezes acho que estou a um passo mais próxima de me deixar ir e de aceitar quem esteja do outro lado, e sei que estarão uns quantos à espera que pare eu de esperar e que os veja, mas depressa volto ao lugar que conheço, à pessoa que já entendo e não abdico de escolher e de decidir, pelo menos apenas me poderei culpar a mim, se não correr bem.

Perguntam-me, variadíssimas vezes o que precisariam de ter, de que forma me fariam sentir, só que fosse curiosidade, no entanto já desist…

E quando é outro?

E quando é outro? E quando o toque e o desejo já não são teus, nem sequer o olhar e muito menos as palavras, já te perguntaste de que forma me sinto e se o aceito como te aceitei a ti?

Não vou responder, porque não pretendo elucidar-te. Não quero que tenhas direito à tranquilidade da minha resposta, se ela te for favorável, ou que te apoquentes pelo que não gostarás de saber. O que sei é que quando, e de cada vez que for outro, terei que começar de novo. Terei que me saber ajustar, conhecendo e reconhecendo quem certamente chegou porque assim teria que ser. Quando eu precisar que um outro faça o que te impediste, dando-me o que até eu reconheço que preciso, vou-me esforçar para que seja bom, para que me faça bem e para que não tenha que te comparar.

Eu queria que fosses tu em cada minuto e que não precisasse de colocar o contador a zeros. Queria poder saber e sentir que já estava aberto o caminho, que estava encontrado o sítio certo para os dois e que só precisaríamos de nos ir tendo …

Nem sempre apetece mudar!

Nem sempre nos sentimos com vontade ou coragem para novos desafios, Nem sempre apetecemudar, quando muito deixarmo-nos enrolar e dormir até que passe o desafio. Nem sempre o destino nos é favorável, mas é nesses momentos que nos devemos reavaliar e tentar entender o porquê do que nos estão a "sugerir", à força.

Mesmo que seja uma alma livre e capaz de se adaptar, virando-me e revirando-me quantas vezes fizer sentido, estou a acusar um cansaço emocional que me desgasta e quase força a que me renda. A verdade é que não apetece render agora, não tenho qualquer vontade de me deixar ir, quero bater o pé e ser eu a comandar, como já faço em tudo o resto, mesmo que saiba que nunca se controla nada.

Nem sempre apetece mudar, e neste minuto imediato, não me apetece de todo, mas daqui por mais uns quantos segundos, depois de já ter digerido o que vem SEMPRE aos sopetões vida abaixo, eu aceito e lá vou. Ainda não posso calçar as pantufas. Ainda não posso apenas levantar-me quando me der…

Um pouco de normalidade por favor...

Todos queremos ter o que é natural, nosso e que nos faz sentir em casa, seguros e a saber com o que contar. Todos precisamos de ter para onde voltar de cada vez que os dias sejam mais difíceis. Todos desejamos parar de procurar, encontrando o que será o reflexo do que já somos, mas ainda ansiamos ter.

Um pouco de normalidade por favor, por vezes basta apenas isso. A normalidade que nos leva até ao rosto familiar de quem amamos. A normalidade que nos recorda quem temos do nosso lado, sabendo que permanecerá. A normalidade que tem um sabor conhecido e cheiros que mais nenhum cheiro iguala e que se entra dentro tal como faz quem nos conhece o corpo.

Tudo pode ser difícil e sê-lo-à certamente, mas se soubermos para onde e por quem voltar, já não precisando de duvidar ou de procurar as respostas que demoram TANTO a chegar, o coração passará a bater compassado e seguro.

Queria, tal como tu e tu, e até mesmo tu, ter como normalidade a pessoa que escolhi, usufruindo do que me levou de forma d…

Afinal parece que me queres mesmo!

Afinal parece que me queres mesmo, mas porquê agora, o que aconteceu durante estes meses e o que viste tu, ou o que deixaste de ver para que te focasses em mim? A vida é cíclica e quando não damos a volta completa, acabamos a voltar aos meus lugares e às mesmas pessoas, revivendo tudo, mas com um olhar diferente. Por isso será que é desta, será que tive sempre razão quando achei que eras tu e que me estavas destinado?

Estou disponível sim, e capaz de aceitar novos desafios, mas num corpo familiar porque isso torna tudo muito mais fácil. Tu sabes, soubeste sempre, que eu te tinha querido mais do que a mim mesma, que o tempo quase tinha parado por não te ter e não te conseguir tocar, mas acabei a sobreviver, porque sou uma sobrevivente e porque esperava, uns dias de forma mais impaciente, mas outros tão serena e cheia de certezas, que viesses e acabaste a vir.

Entre nós intrometeu-se outra parte do destino, mas depressa saiu de campo, e mesmo que me tivesse conseguido tocar bem dentro, …

Quando o amor termina...

Quando de tudo o que eu faço, já nada te pertence, e quando tudo o que tu dizes já não é meu, nem me diz respeito, o que é que nos resta aos dois? Acho que sabemos a resposta a esta pergunta!

O raio do Universo por vezes tem formas muito pouco ortodoxas de nos mostrar caminhos, e de nos ensinar o que nem sempre acabamos a aprender, porque insistimos em bater nas mesmas teclas, fixando-nos no que deveríamos ser capazes de arrancar de nós. Mas chegará um dia, do nada, ou de tudo o que já tivemos e a luz que não conseguíamos ver torna-se mais brilhante, deixando tudo à nossa volta a fazer sentido.

O que começa eventualmente termina e as relações por vezes são isso mesmo, inícios e finais que nem sempre estão no mesmo passo. Não raras vezes iniciamos algo, que à partida nunca terá pernas para andar, mas insistimos, teimamos e vamos atrás. Abençoados por tentarmos, por construirmos sonhos, por não nos deixarmos assustar perante tantas impossibilidades e reversos, mas quando o tempo nos em…

Disse-me o destino!

Disse-me o destino, quando tivemos uma longa e produtiva conversa, tudo o que esperava de mim e de que forma deveria conduzir-me, estando atenta ao que sou e até onde posso ir. Repisámos o carácter, os defeitos e as teimosias que teimo em manter. Falámos, tranquilamente sobre a minha forma de amar e dos medos que sempre consigo empolar, pelo enorme medo de perder quem amo. A minha dualidade teve que ser, quase "espancada", porque acaba a cansar todos os que me rodeiam, eu incluída. Nada de revirar os olhos de cada vez que me soar mal, tenho que conseguir manter-me, firme e hirta, perante os que me tiram do sério e a todos quantos me massacram o intelecto.

Disse-me o destino, que estou "aqui" para grandes feitos, para dar, MUITO e para aprender a receber o que sobrará de tanta entrega, porque nem todos terão a mesma missão, nem saberão o que fazer com tanto que faço eu. Fez-me prometer que cuidaria melhor de mim, afastando os obstáculos que sempre vou criando por me …

Cura-me com os teus beijos!

Quando não estás para mim como preciso. Quando me deixas numa espera interminável. Quando te esqueces da falta que me fazes e apenas fazes as tuas coisas. Quando segues, determinada, pelos caminho que ainda não conheço, quebras-me, arrancas-me pedaços de corpo e coração, roubas-me o ar e matas-me de ainda mais amor. aquele que apenas eu pareço ter.

- Como é que te posso recompensar da minha insensibilidade?

Parece ser esta a tua pergunta favorita e eu uso a mesma resposta para te trazer e manter comigo.

- Cura-me com os teus beijos.

E que bons são os beijos que apenas pareço conseguir de ti. É na tua boca que a minha boca redescobre o significado da entrega e do amor sem condições. É da tua boca que recebo o que nunca tive antes e quero mais, sempre mais.

Cura-me com os teus beijos para que te perdoe e possa aceitar como és, porque o és como quero, mesmo que me faças doer por dentro.  Cura-me com os teus beijos, hoje ainda, porque não quero mais nenhum minuto sem te sentir. Cura-me co…

Tu estás em tudo o que escreves!

O teu espírito livre e capacidade de colocares por palavras a vida de todos nós, faz-te diferente e especial. Nem sempre sabes como melhor reconstruir o que quase te foi arrancado, impedindo-te de ter a infância segura, cheia de colo e de respostas. Nem sempre conseguiste entender porque nada voltaria a ser igual, mas assim mesmo acabaste por te sair bem. Nem sempre conseguimos andar para a frente, por vezes parecemos ter parado no tempo, repetindo as mesmas coisas até à exaustão, ou até que se tornassem a única forma de continuar, mas quando decidimos e aceitamos olhar para as coisas como são realmente, recomeçamos.

O poder que nos é conferido quando tomamos nas nossas mãos o percurso que queremos fazer, vem sempre ao de cima de cada vez que não estamos na sintonia certa e é aí que decidimos reescrever o que não nos reflecte. - "Se não gostas da forma como escreveste a tua história, o remédio é recomeçares, do mesmo ponto e seguir em frente". A importância que a vida preci…

Alimento emocional!

Caramba, como eu preciso de quem precise de mim. Tanta falta me faz quem sinta a minha falta, todos os minutos dos dias que se arrastarão se eu não estiver. É enorme a quantidade de amor que tenho para derramar, em "ti", tão grande que está a sufocar-me.

Já aprendi a saber esperar, acreditando que tenho como atrair o que me serve, mas em dias como o de hoje, também desespero com a espera, também acabo a precisar de correr, mesmo que parada acabe por chegar ao mesmo lugar. Já percebi que não quero e não tenho forma de terminar sozinha, não mesmo, porque tu existes e vais saber como chegar até a mim. Já sou bem mais madura e crente no que sou capaz de fazer acontecer, mas caramba, também sou humana e é por isso que estou a precisar de alimento emocional, muito, tanto que me sufoque no bom sentido, sabendo que sou a pessoa certa na vida de alguém.

Queres saber como é que sobrevivo à tua falta?

Nem sempre sei a resposta e mesmo que nunca me sinta apenas a sobreviver, por vezes a…

Precisamos de tão pouco quando somos muito!

Tenho bem colada em mim esta sensação de que consigo abraçar o mundo todo se o desejar. Consigo, agora mais do que antes, saber o que me move e até onde sou capaz de ir se continuar a ver-me por dentro. Acredito que cresci o bastante para já não recear o que vier, porque foi sempre por mim e através do que construí que cheguei até onde estou e sou hoje.

Precisamos de tão pouco quando somos muito. Precisamos de amor aos molhos, tanto que se derrame pelos que se cruzarem connosco. Precisamos de saber reconhecer quando parar e quando NUNCA desistir e isso será suficientemente fácil se nos conhecermos. Precisamos de abrir as mãos para receber os que se perderam para o mundo, devolvendo-lhes a coragem de recomeçar. Precisamos de conseguir rir de tudo e de nada, não pedindo desculpas pela aparente felicidade tola. Precisamos de ter menos dias solitários, refugiando-nos nos que nos encolhem os medos. Precisamos de saber precisar uns dos outros mais vezes encurtando a solidão.

Precisamos de tã…

Não estou pronta para cair...

Não estou pronta para cair, não ainda, porque há muito para fazer até que desista, eventualmente. Tu carregas uma sensação nova, uma esperança que me leva a lugares que antes apenas faziam parte do meu imaginário. Tu trazes contigo uma forma de ver o mundo que se aproxima da minha. Tu recuperas-me e aos anos que pareço ter perdido até te ter.

Não estou pronta para cair, porque cair significaria aceitar que estava errada quando senti que serias tu. Não estou pronta para cair e assim vou continuar até que desista de ti. Existem poucas verdades que me importem verdadeiramente, mas as que crio para que me possa rodear do que tenho que ter para continuar a ser quem reconheço, até quando o medo me invade, dessas não abdico.

Um dia sei que o que agora não parece fazer sentido se encaixará, e é aí que me deixarei cair, chorando todas as dores que a minha alma acumulou e aceitando a minha incapacidade de mudar o nosso percurso. Um dia, quando pensar em ti já for natural, saberei como deixar o p…

De repente e do nada!

De repente e do nada, senti saudades de todo aquele tempo em que estavas inacessível, dos momentos em que me refugiava de todos os que não entendiam de que forma precisava de ti e te sentia a falta!

Eu não te fantasiei, exististe mesmo e chegaste a partilhar a minha renovação, o florescer de uma nova mulher, a descoberta dos sentimentos que tinha conseguido acumular, esperando poder derramá-los todos em ti. Não vou poder esquecer, nunca mais, o nosso primeiro encontro, o olhar atrapalhado e a sensação imediata, de que te tinha encontrado. Não estava à tua procura, pelo menos achava que não, mas a verdade é que sentia falta de um amor como o que acabei a ter por ti. Sentia falta de ser vista e desejada, de ter olhares pousados em mim, apenas em mim, de forma tão alheada dos outros, que por vezes ficavas ridículo e eu envergonhada.

De repente e do nada, percebique ainda não te resolvi, que agora és apenas o meu passado, mas acabei a sentir a tua falta de forma tão intensa, que me surpree…

A vida testa-te sempre...

Pode parecer que estás a ser perseguido, que não te dão tréguas e que chegas sempre tarde, ou demasiado cedo, mas a verdade é que estás apenas a ser testado, sempre, para que possas manter as certezas. Vais ter que saber fugir dos pedidos que lanças e não persegues. Não vais poder continuar a querer muito algo hoje e a desistir por completo amanhã. A firmeza e a resiliência é o que nos distingue e permite vencer qualquer obstáculo e tantos que são...

Não importa se és boa ou má pessoa, a vida testa-te sempre, tal como fazem os que te formam e educam, porque ou aprendes a lição a bem, ou terás muito mais trabalho, o dobro, para refazeres e recomeçares.

A vida testa-te sempre, mas é bom que o faça, porque apenas ela validará o que tanto sonhaste, o que quiseste com toda a tua força e o que receaste partilhar com quem provavelmente nunca te entenderia. Nada por aqui é gratuito. Nada será, jamais, será feito apenas para te servir, porque todos os outros terão que se encaixar no que és, na…

Por vezes vemos a vida ao contrário!

Por vezes vemos a vida ao contrário e alguém que até já passou por diversas vezes e para quem olhámos, sem ver realmente, acaba por nos deixar algo diferente e é aí que tudo muda.

Por vezes não é à primeira, nem sequer à segunda, que a pessoa supostamente certa, chega até nós e fica. Por vezes não vemos porque não nos apetece, porque nos dará algum trabalho e mudará a nossa visão da vida. Por vezes o interior completa todo o quadro e acabamos surpreendidos com a nossa capacidade de amar alguém que parece estar tão fora, que não terá como caber. Por vezes somos apenas parvos e decidimos perder tempo precioso, perseguindo o arco-íris e esquecendo-nos de todas as cores que estão ao alcance de um toque.

Nem sempre as rádios transmitem as músicas de que gostamos mesmo, por isso vamos sintonizando, mudando, girando os botões até que acertemos, mas quando chega aquela que nos põe de imediato a mexer, passamos a ouvir com mais atenção, a alargar o leque, a variar e a conseguir perceber que exi…

O que é que eu te passo?

O que é que eu te passo? Mesmo que não me caiba a mim dá-la, sei o que gostaria de te passar. Para começar segurançatranquilidade, um coração a bater compassado, mas que eu soubesse movimentar de cada vez que me aproximasse. Depois desejo, sempre, a cada minuto, quando te soprasse as palavras que te mudariam os dias, de cada vez que te dissesse que te amo e acontece que amo mesmo.

Não sei exactamente o que te passo e se chego da forma certa, daquela que esperas, mas quero ser diferente de tudo, quero que te sintas completo, próximo de mim, confiando que podes confiar, e acreditando que só te quero a ti, porque nem sei como se gosta de mais do que uma pessoa de cada vez.

Acreditar é a base, depois basta ir construindo, um tijolo de cada vez, usando a colagem certa, mas podendo reabrir espaços e renovando a planta inicial. Acreditar dá-nos o que aos outros falta, sobretudo segurança, e afasta os medos inevitáveis.

O que é que eu te passo?

Eu sei que te quero passar a certeza de que estás…

Conversar TAMBÉM é bom, certo?

Claro que conversar também é bom, mas parece que ninguém o quer fazer nos dias de hoje, não quando existem coisas BEM mais interessantes. Agora estamos mais na era do "embora lá tratar disto" e para ISTO não temos que perder demasiado tempo, até porque a intenção não é manter o que quer que seja. Vale para relações de todo o tipo e prolifera à velocidade dos cogumelos selvagens, antes dos fogos, claro está.

O agora é medido com base no efeito do minuto, tudo o que sentimos e nos aparenta o outro, é que conta. A verdade. As emoções e sobretudo a realidade, bem, essa não suficientemente interessante. Se não conversamos o bastante, nunca teremos como saber dos outros, o que os move, com quem sonham, para onde pretendem ir e o que esperam da vida. Se não nos damos, não teremos como chegar até a quem nos estaria destinado. Se apenas procuramos o efémero, rapidamente consumiremos o que tanto demora a armazenar, mas que o possa explicaria, teria que me explicar e parece que ningué…

O que sentir pelos que não sentem?

Como entender quem não sabe o que fazer, nem como, para se dar, tendo o que todos parecemos procurar? O que sentir pelos que não sentem, passando-lhes alguma forma de humanidade para que sejam mais do que vegetais sem qualquer cor?

Não vamos ser capazes de salvar todos. Não temos como lhes passar algum sentido, quando eles mesmos falham ver o óbvio. Não podemos mudar quem não se muda, porque não sabe como nem de decide a fazê-lo. Não adianta adiantarmo-nos à vida, porque apenas ela lhes poderá dar mais do mesmo.

Olhares mornos, sem vida. Sorrisos que não soltam qualquer esgar ou som. Toques que já não chegam a ninguém e que por isso mesmo não querem ser tocados.

O que sentir pelos que não sentem? Como dar-lhes alguma réstia de esperança se nunca souberam o que significa esperar pelo que até chegaria se o conseguirem desejar? Que poção mágica usar para que acordem ainda nesta vida?

O que sentir pelos que não sentem? Não te adianta saber, faz por ti o que te afastar de quem já te virou a…

Diz-me tudo, mas na cara!

Eu sou de outros tempos, e mesmo que me adapte perfeitamente a este onde estou agora, não gosto deste novo modelo, da falta do olho no olho, da facilidade com que se julga o outro virtualmente, fragilizando-o o bastante para que não tenha como se defender, porque uma vez no ciber espaço, nunca de lá sairá!

Diz-me tudo, mas na cara. Ah pois, mas não consegues certo?

O agora é basicamente isto. Ninguém quer ou procura confrontos directos, porque perceber que do outro lado das palavras "moram" pessoas reais, inibe e faz pensar duas vezes, algo que não se pratica. É tudo fast food e fast thinking.

Se não gostaste da minha observação, diz-me tudo, mas na cara. Se te fiz sofrer ou se não fui capaz de estar à altura das tuas expectativas, diz-me tudo, mas na cara. Se queres terminara relação, porque eu não te preencho,não o grites aos sete ventos no facebook, diz-me tudo, mas na cara. Ok, estou a pedir demasiado, já ninguém tem como voltar atrás no tempo e recuperar o melhor do hom…

Até podes ser tu...

Até podes ser tu, não o sei ainda, ninguém sabe de imediato estas coisas, mas existirão sempre almas boas que chegam para nos livrar do pecado, das mágoas e de casos mal resolvidos!

Por vezes há que aceitar que precisamos da ajuda de terceiros, do seu distanciamento e discernimento, do seu ar novo, para nos limparem o nosso e para nos provarem que é possível reter amores antigos, mas aceitando os novos.

Continuo a gostar de avaliar. Continuo a querer que a pele se erice e que os sentidos me falem, para depois saber que estou capaz de recomeçar a viagem. Desta vez vai ser menos atribulada, já sei como e o que fazer, que perguntas colocar de chofre, como te fiz hoje, não dando margem para qualquer manobra de diversão. O foco tem que ser óbvio, as vontades comuns, e a percepção de tempo bem definida, afinal de contas já não somos miúdos, e desta vez, ou sei que quem escolhi está pronto, ou nem sequer lhe vou permitir que me ocupe o espaço. Eu já sei de que lado da cama fico, como acordo …